Saúde estuda mudar estratégia de vacinação e priorizar o Norte contra nova cepa

Governadores de outros estados, no entanto, não devem topar a estratégia do ministério

Kenzô Machida e Thais Arbex, da CNN, em Brasília
15 de fevereiro de 2021 às 15:38 | Atualizado 15 de fevereiro de 2021 às 16:22

O Ministério da Saúde pretende apresentar a governadores, na quarta-feira (17), uma nova estratégia de vacinação para o país. A CNN apurou que a pasta vai defender que, a partir do próximo lote, sejam priorizados os estados onde a disseminação da nova cepa do novo coronavírus esteja comprometendo o sistema de saúde. 

Segundo auxiliares do ministro Eduardo Pazuello, a proposta é começar pelo estado do Amazonas e imunizar não só os grupos prioritários, mas toda a população a partir dos 18 anos de idade. De acordo com a nova estratégia, toda a região Norte do país seria vacinada primeiro.

De acordo com a apuração da CNN, o cronograma que o ministério deve apresentar aos governadores mostra que os estados serão totalmente vacinados na seguinte ordem: Amazonas, Roraima, Acre, Amapá, Rondônia e Pará

 

Profissional de saúde prepara vacinas Pfizer/BioNTech contra Covid-19
Plano pretende priorizar estados da região Norte, por causa da nova variante da Covid-19
Foto: Pedro Nunes/Reuters

A pasta de Pazuello trabalha com um cenário em que, paralelamente a essa estratégia para a região Norte, o restante do Brasil seguiria o cronograma de grupos prioritários previstos no PNI (Plano Nacional de Imunização).

Os governadores, no entanto, não devem topar a estratégia do ministério. A CNN apurou que os chefes dos Executivos estaduais devem manter a proposta de estabelecer um fundo permanente de vacina para atender as regiões mais pressionadas pela Covid-19. A ideia é manter uma reserva de 5% de doses disponíveis para atender esses locais.

A avaliação de governadores ouvidos pela CNN, em caráter reservado, é a de que a estratégia de priorizar determinados estados pode causar ainda mais impacto na vacinação de todo o país. 

Há também, de acordo com eles, a possibilidade de se incentivar o turismo de vacinação. De acordo com os governadores, com essa reserva de 5% em um fundo permanente será possível atender de forma mais célere os estados que estão com aumento expressivo de casos.

A expectativa do Ministério da Saúde é receber ainda neste mês de fevereiro 10 milhões de doses prontas da vacina da AstraZeneca, que estão na Índia. De acordo com relatos feitos à CNN, esse novo lote já teria um quantitativo maior reservado para a nova estratégia da pasta. 

O novo plano de vacinação do ministério vai contar com o apoio das Forças Armadas. A ideia é que os militares apoiem o plano de vacinação seguindo o mesmo modelo que é adotado durante o período eleitoral. 

O Exército ficará responsável pela distribuição da vacina, por sua segurança e pela montagem dos pontos de vacinação por colégio eleitoral em todo o Estado. 

Nas zonas eleitorais, a orientação será a mesma já repassada pelos postos de saúde: a população deve apresentar apenas documento com foto e o cartão de vacinação.