Ministério da Saúde busca doação de 10 milhões de vacinas estocadas nos EUA

Brasil tenta obter 10 milhões de doses do imunizante da AstraZeneca, que ainda não foi aprovado pela agência reguladora norte-americana

Cassius Zeilmann, da CNN em Brasília
14 de março de 2021 às 12:16 | Atualizado 14 de março de 2021 às 12:21
Vacina de Oxford/Astrazeneca
Vacina de Oxford/Astrazeneca
Foto: Luiz Lima Jr./Fotoarena/Estadão Conteúdo (5.fev.2021)

O Ministério da Saude busca abrir um diálogo com o governo dos Estados Unidos para tratar de medidas de combate à pandemia de Covid-19. Um encontro entre as partes deve acontecer nos próximos dias após o Brasil demonstrar interesse na doação de 10 milhões de doses da AstraZeneca, que estão estocadas nos EUA. 

Fontes da pasta da saúde disseram que o Ministério de Relações Exteriores já entrou em contato com os americanos, que deram sinal verde para alinhar a reunião. A farmacêutica AstraZeneca também deve participar do encontro. 

O governo federal acelerou as tratativas após o governador do Piauí, Wellinton Dias (PT), que comanda a temática da vacina no Fórum Nacional dos Governadores, avaliar pedir a liberação de doses do imunizante ao presidente dos EUA, Joe Biden. 

Os EUA adquiriram 30 milhões de doses da vacina da AstraZeneca, que ainda não podem ser aplicadas, porque o laboratório não terminou os testes da fase 3 em solo americano. 

Para solicitar os 10 milhões de doses, a estratégia do Ministério da Saúde é mostrar para o governo americano que a doação não vai interferir e nem atrasar a campanha de imunização deles. O plano dos EUA é intensificar o ritmo de vacinação no país e ter doses suficientes para imunizar toda a população acima de 18 anos até meados de maio. 

A ideia inicial era manter o estoque para que a vacina possa ser distribuída rapidamente aos cidadãos americanos. Mas, caso haja a doação, a farmacêutica iria repor as doses doadas quando o pedido de uso emergencial ou definitivo for autorizado pela agência sanitária americana FDA (Food and Drug Administration). 

Até a última sexta-feira (12), a Casa Branca afirmou que os Estados Unidos negaram todos os pedidos de doação de vacinas contra a Covid-19 feitos por outros países. 

Mesmo com a prioridade de vacinar a população americana, o Ministério da Saúde informou, em nota, que recebeu as intenções norte-americanas em apoiar as ações brasileiras em especial sobre a obtenção, no curto prazo, de vacinas contra a Covid-19. 

A pasta também disse que vem explorando possibilidades de cooperação internacional no enfrentamento à pandemia da Covid-19, especialmente com países com os quais dispõe de relacionamento tradicional e próspero — a exemplo da Cooperação Bilateral Brasil e Estados Unidos em Saúde.