Ocupação de UTIs para Covid-19 na rede do governo do RJ chega a 98,02%

Na capital fluminense, taxa alcança os 93% em toda a rede SUS

Stéfano Salles, da CNN no Rio de Janeiro
17 de março de 2021 às 14:38
Leitos de UTI no Hospital Ronaldo Gazzola, na zona norte do Rio de Janeiro
Leitos de UTI no Hospital Ronaldo Gazzola, na zona norte do Rio de Janeiro, durante pandemia da Covid-19
Foto: Wilton Júnior/Estadão Conteúdo (10.mar.2021)

O aumento de procura por leitos de terapia intensiva para Covid-19 no Rio de Janeiro deixou a rede de hospitais do governo do estado operando bem próximo do limite. Um relatório desta terça-feira (16), da Superintendência de Regulação, subordinada à Subsecretaria de Gestão da Atenção Integral à Saúde, obtido pela CNN, mostra que a taxa de ocupação das UTIs nas unidades da rede estadual chegou a 98,02%.

A procura por leitos de enfermaria na rede também é grande e a ocupação está em 82,25%, de acordo com o documento. Um número bem superior à taxa de 62,4%, apresenta pelo Painel Coronavírus Covid-19, mantido pela Secretaria de Estado de Saúde, que engloba leitos de toda a rede SUS: municipais, estaduais, federais e privados contratualizados. 

Na capital, a situação também se agravou. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, a taxa de ocupação de leitos de UTI está em 93% e, para enfermaria, 88%. De acordo com o próprio município, em sua plataforma de monitoramento, há 1.128 pessoas internadas pela doença na cidade e 102 esperando vaga. 

Segundo o relatório da Gestão da Atenção Integral em Saúde, fechado antes que o estado atingisse na terça-feira o recorde de pedidos de internações feitos à Central de Regulação, 344, o índice já vinha em alta desde cinco de março. Até então, era estável, com média de 150 pedidos, somados entre os diferentes tipos de leito. No dia 15, já eram 309. Um aumento em relação à véspera, quando foram 253.