Fiocruz diz que atraso em entrega de doses pela Índia não compromete cronograma

Além do Brasil, o Instituto Serum também informou que atrasará as entregas do Marrocos e da Arábia Saudita

Thayana Araújo, da CNN, no Rio de Janeiro
21 de março de 2021 às 22:24 | Atualizado 21 de março de 2021 às 22:32
Vacinas Oxford/AstraZeneca, desenvolvidas em parceria com a Fiocruz
Vacinas Oxford/AstraZeneca, desenvolvidas em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz
Foto: Cassiano Rosário/Futura Press/Estadão Conteúdo

Após o Instituto Serum informar que vai atrasar a entrega de doses da vacina de Oxord/AstraZeneca para o Brasil, a Fiocruz informou à CNN que isso não causará impacto no cronograma entregue ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde divulgado no site da fundação. 

Conforme adiantado pela CNN no dia 4 de março, a mudança na data de entrega acontece por questões diplomáticas: o governo da Índia tem feito pressão para que essas doses não saiam do país. O objetivo é acelerar a vacinação da população indiana.

Além do Brasil, o Instituto Serum também informou que atrasará as entregas do Marrocos e da Arábia Saudita. O laboratório ainda não informou à Fiocruz a nova data de entrega das vacinas.

A fundação informou ainda que a negociação com a AstraZeneca e o Instituto Serum da Índia inclui a aquisição de um total de 10 milhões de vacinas importadas, além das 2 milhões de vacinas entregues ao PNI no dia 24 de janeiro.

O restante de 8 milhões de doses será importado ao longo dos próximos meses, em cronograma ainda a confirmar. O processo de importação conta com o apoio do governo da Índia e da AstraZeneca, que vem colaborando em todo o esforço de antecipação das vacinas.