Governo federal protocola pedido de testes de nova vacina feita no Brasil

De acordo com nota do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, solicitação foi protocolada na quinta (25)

Anna Satie e Rafaela Lara, da CNN em São Paulo
26 de março de 2021 às 15:24 | Atualizado 26 de março de 2021 às 16:45

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações anunciou nesta sexta-feira (26) que protocolou junto à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) na última quinta-feira (25) um pedido para início dos testes clínicos em humanos de uma nova vacina contra Covid-19 desenvolvida no Brasil, chamada de Versamune-CoV-2FC.

O potencial imunizante é resultado de uma pesquisa financiada pelo ministério e coordenada pelo pesquisador Célio Lopes Silva, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP), em parceria com a empresa brasileira Farmacore e a PDS Biotechnology. Em nota, Anvisa confirmou que recebeu o pedido de autorização de testes com a Versamune-CoV-2FC.

O anúncio foi feito horas depois de o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciar, na manhã desta sexta-feira, uma vacina desenvolvida inteiramente no Brasil pelo Instituto Butantan

De acordo com o comunicado, a Versamune teve bons resultados em testes feitos com animais. "Os resultados dos estudos não-clínicos [toxicidade e imunogenicidade] obtidos até o momento demonstram qualidade e competitividade para ser um sucesso nacional e global no controle da Covid-19", diz. "A vacina demonstrou capacidade de ativar todo o sistema imunológico – imunidade humoral, celular e inata, induzir memória imunológica e proteção de longo prazo".

No início do mês, em entrevista coletiva, o gerente-geral de medicamentos da Anvisa, Gustavo Mendes, citou a Versamune como uma das iniciativas brasileiras promissoras apoiadas pela agência

Vários locais de pesquisa e desenvolvimento nos Estados Unidos e no Brasil serão usados para progredir no desenvolvimento clínico da vacina, segundo as empresas parceiras do desenvolvimento.  "A Farmacore liderará os esforços regulatórios e de ensaios clínicos no Brasil, enquanto a PDS Biotech continuará a contribuir com conhecimento científico e suporte operacional", disse a nota. 

A vacina tem como estratégia uma proteína recombinante do novo coronavírus, baseada numa plataforma desenvolvida pela PDS chamada de Versamune, que ativa células-T, que têm função imunológica. Em junho de 2020, já havia a possibilidade dessa vacina ser testada no país. O financiamento do MCTI ainda era estudado naquela época.  

De acordo com o Ministério da Saúde, há 17 estudos pré-clínicos de vacinas contra Covid-19 em andamento no país. 

Duas vacinas brasileiras

ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes
O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, falou sobre a produção de uma nova vacina brasileira
Foto: CNN Brasil (26.mar.2021)

Em pronunciamento nesta tarde, o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, disse que o anúncio do governo não está relacionado à Butanvac, divulgada mais cedo

"No meu ponto de vista, não tem nada a ver uma coisa com a outra, um fato com o outro. Temos trabalhado nisso e tenho anunciado a sequência dos trabalhos há um certo tempo. Eu estava nessa expectativa para esse anúncio, foi uma coincidência", afirmou, acrescentando que o momento pede "várias vacinas nacionais". 

"É extremamente importante o desenvolvimento de vacinas nacionais, podemos adaptar com a nossa tecnologia que fica mais barato. O desenvolvimento ajuda outras vacinas também", disse. 

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, também se manifestou rapidamente. "O importante é vacinar a população brasileira. O Brasil já tem mais de 500 milhões de doses acertadas. Ainda não vacinamos como queremos e nos comprometemos que, em abril, teremos um milhão de doses aplicadas por dia", declarou. 

"Também queremos que haja parcerias com a iniciativa privada e com universidades para que consigamos ampliar as pesquisas no Brasil. Esse cenário pandêmico trouxe a possibilidade das pessoas entenderem a importância das pesquisas clínicas, isso gerou publicações em revistas de alto impacto. Essa agenda é uma agenda de Estado estratégica e que deve ser estimulada", falou. 

17 estudos de vacina no Brasil

Segundo o Ministério da Saúde, há 17 estudos de possíveis vacinas contra a Covid-19 em andamento no país, em estado pré-clínico, quando os estudos em humanos ainda não começaram.

A lista relaciona as duas vacinas nacionais anunciadas nesta sexta-feira (26), a Butanvac, do Instituto Butantan com a Dynavax e a PATH, e a Versamune, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP), em parceria com a empresa brasileira Farmacore e a PDS Biotechnology.