Para médico, 'feriadão é bem-intencionado', mas pode ser boicotado pelas pessoas

Com o 'megaferiado', a capital paulista não terá dias úteis entre esta sexta-feira (26) e o domingo de Páscoa, em 4 de abril

Produzido por Vinícius Tadeu, da CNN em São Paulo*
26 de março de 2021 às 08:04

Começa a valer nesta sexta-feira (26) em São Paulo e em cidades da região metropolitana a antecipação de feriados para tentar diminuir a circulação de pessoas e conter o avanço do novo coronavírus. Com a medida, a capital paulista não terá dias úteis entre hoje e o domingo de Páscoa, em 4 de abril.

À CNN, Carlos Magno Fortaleza, infectologista e membro do Comitê de Contingência do Estado de São Paulo, acredita que a medida é bem-intencionada, mas pode ser boicotada se a população sair de suas casas.

“Estamos num momento em que precisamos de qualquer medida que diminua a interação entre as pessoas. Se nós diminuirmos a possibilidade de uma pessoa transmitir para outra, podemos diminuir as internações em milhares de casos”, explicou Fortaleza.

“Vejo o risco e a possibilidade [do feriado piorar os números da pandemia], mas cada medida para conter a transmissão da Covid-19 precisa ser uma medida administrativa e [ter o] apoio da população. Então há um apelo para que a população não vá à praia, não vá para outras cidades e não faça com que o vírus circule ainda mais durante o feriado. É uma medida bem-intencionada, mas pode ser boicotada se a população fizer movimentos, sair para outros locais.”

Restrições em SP

Na capital paulista, apenas os serviços essenciais poderão funcionar, isto é, farmácias, mercados, clínicas veterinárias, entre outros. Os restaurantes podem funcionar somente para entregas, nem mesmo o “take-away”, quando o cliente vai buscar o alimento no restaurante, pode ser usado.

Até o dia 31 de março, todo o estado está submetido à Fase Emergencial do Plano São Paulo de contenção da pandemia. Isso significa que o acesso às praias não será permitido, pelo menos até esta data. Os shopping-centers e parques estarão fechados.

O rodízio na capital também foi alterado, passando a valer apenas entre às 20h e 5h da manhã, seguindo a ordem tradicional das placas. Dessa forma, os motoristas que possuem o final da placa 1 ou 2 não podem circular a partir das 20h de segunda às 5h de terça, e assim em diante.

Para evitar lotação nas cidades do litoral, os nove prefeitos das cidades da Baixada Santista (Praia Grande, Santos, Bertioga, Guarujá, Peruíbe, São Vicente, Mongaguá, Itanhaém e Cubatão) decretaram lockdown que começou na terça-feira (23). A medida proíbe a locação de casas para turistas, fechamento de bares e restaurantes e bloqueio da orla para permanência na areia ou mar. Especificamente em Santos, foi decretada a proibição da venda de bebida alcoólica entre as 20h e às 6h. 

(*Supervisionado por Elis Franco; com informações de Luana Franzão*, da CNN, em São Paulo)