Pesquisador diz que Versamune será mais efetiva que vacinas atuais

As primeiras duas fases de testes clínicos devem ter início em maio, de acordo com Silva, e vão envolver 360 voluntários

Iuri Pitta
Por Iuri Pitta, CNN  
26 de março de 2021 às 22:39 | Atualizado 26 de março de 2021 às 22:42
Profissional prepara vacina contra Covid-19 para aplicação no Rio de Janeiro
Profissional prepara vacina contra Covid-19 para aplicação no Rio de Janeiro
Foto: Delmiro Júnior/Agência O Dia/Estadão Conteúdo (19.mar.2021)

O pesquisador Célio Lopes Silva, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP (FMRP-USP) e responsável pelo desenvolvimento da Versamune, diz que essa vacina será mais efetiva na proteção contra o novo coronavírus do que os imunizantes já utilizados atualmente.

Na quinta-feira (25), conforme anunciado pelo governo federal, foi pedida autorização para início dos testes clínicos com humanos desse imunizante, o que deve levar de seis a oito meses para ser concluído.

As primeiras duas fases de testes clínicos devem ter início em maio, de acordo com Silva, e vão envolver 360 voluntários. Os estudos serão realizados com aplicação de duas doses da Versamune.

"Após três meses, abrimos os resultados e daí começamos a fase 3, com um universo de 20 mil indivíduos em diversos estados do Brasil", explicou o pesquisador. "Nossa expectativa é concluir os estudos até dezembro, esse é o tempo que pesquisas assim costumam levar."

O desenvolvimento da Versamune conta com recursos do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Nas fases 1 e 2, os estudos clínicos devem ter custo estimado em R$ 30 milhões. Para a fase 3, o orçamento deve subir para valores entre R$ 200 milhões e R$ 300 milhões.

A vacina é fruto de parceria entre envolve, além da USP Ribeirão Preto, uma empresa brasileira, a Farmacore, que licenciou a tecnologia desenvolvida pela empresa norte-americana PDS Biotech.

Já há negociações em andamento para que uma empresa brasileira possa adaptar sua linha para produção em grande escala do imunizante. A negociação, com uma fábrica do estado de São Paulo, está em fase avançada.

"Podemos considerar nossa vacina como 100% nacional, porque vamos produzir o carreador também no Brasil", disse Silva. "A ideia, o conceito e o desenvolvimento da vacina são totalmente brasileiros", corrobora a CEO da Farmacore, Helena Faccioli.

"Nossa estimativa, a depender do fabricante e de como transcorrerem os estudos da fase 3, é ter capacidade de produzir 400 milhões de doses por ano, com foco em atender a demanda nacional. Se houver sobra e capacidade de expansão da produção, futuramente pensaremos em exportação para a América Latina e outros mercados", disse Helena.

A Versamune é uma vacina nanoparticulada. Ela é formada por um carreador, cuja patente pertence à PDS e foi licenciada para a Farmacore, que leva o antígeno obtido a partir da proteína S1 do coronavírus, uma subunidade da proteína S, para as células.

Uma das vantagens dessa plataforma, explica Silva, é estimular o interferon tipo 1, gerando uma ativação imunológica mais efetiva de combate à infecção provocada pelo coronavírus.

"A nossa plataforma coloca o antígeno de uma forma mais pronta do que vacinas de RNA mensageiro e mata a célula infectada", descreveu o pesquisador. "Acreditamos que, com isso, nossa vacina tanto vai proteger os indivíduos quanto evitar a transmissão do vírus."