Ex-presidente da Anvisa diz que é 'imoral' iniciativa privada comprar vacinas

Ex-presidente da agência falou sobre o projeto aprovado no Congresso que autoriza empresas a importar imunizante contra a Covid-19

Da CNN, em São Paulo
07 de abril de 2021 às 02:24

O ex-presidente da Anvisa, Gonzalo Vecina Neto, não concorda com o projeto de lei aprovado pela Câmara dos Deputados, que permite a compra de vacinas contra a Covid-19 por empresas que queiram vacinar seus funcionários. Em entrevista à CNN, ele defende que não se terá acesso aos melhores imunizantes.

"Acho imoral através de ter dinheiro, conseguir ter vacina. Acho que o esforço que o país tinha que fazer era garantir imunizante para os grupos prioritários o mais rápido possível. E as grandes farmacêuticas multinacionais, que são as principais, não vão vender para a iniciativa privada", afirma. 

É importante vacinar em massa, ressalta. "A vacinação não é um ato individual, é coletivo. Ou nós conseguimos vacinar a população brasileira ou o vírus continuará circulando. Temos que garantir para toda a população e paticularmente para os grupos mais vulneráveis. Se não, não conseguiremos paralisar a doença, como agora em abril, que enfrentaremos o pior mês da pandemia". 

Gonzalo Vecina Neto, ex-presidente da Anvisa (06.abr.2021)
Gonzalo Vecina Neto, ex-presidente da Anvisa (06.abr.2021)
Foto: Reprodução/CNN

 

(Publicado por Sinara Peixoto)