Uso de máscaras pode evitar 14 mil mortes por Covid-19 até agosto nos EUA

Modelo matemático reforça a importância do uso de máscara mesmo após a imunização

Madeline Holcombe, da CNN
10 de abril de 2021 às 20:21 | Atualizado 10 de abril de 2021 às 21:19
Clínica móvel de vacinação na Califórnia (EUA)
Clínica móvel de vacinação na Califórnia (EUA)
Foto: Reprodução / CNN

  Um modelo matemático desenvolvido pelo Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde da Universidade de Washington prevê que, até o dia 1º agosto, cerca de 618.523 pessoas terão morrido em decorrência do novo coronavírus nos Estados Unidos. A projeção cai para 604.413, contando que 95% da população americana use máscaras. 

No pior dos cenários, em que as pessoas imunizadas voltem aos níveis de mobilidade de antes da pandemia, a projeção aumenta para 697.573. O modelo avalia a distribuição da vacinação e a propagação de novas variantes do vírus. 

 Todos os 50 estados americanos deverão começar a vacinar a população acima de 16 anos a partir de 19 de abril. Ainda que o aumento da imunização seja um passo importante para exterminar o vírus, os especialistas advertem que o país está em uma corrida contra as variantes (como a B.1.1.7, identificada pela primeira vez no Reino Unido), que têm o potencial de causar outro surto da doença. 

Na sexta-feira (9/04), os Estados Unidos registraram cerca de 80.157 novos casos. Foi o terceiro dia consecutivo e o quarto dia da semana passada em que houve pelo menos 75 mil casos, de acordo com levantamento da Universidade Johns Hopkins. No total, mais de 561 mil pessoas morreram no país em decorrência do novo coronavírus até o momento, segundo o estudo.

“As vacinas são ferramentas efetivas contra a propagação do vírus, mas não são perfeitas. A vacinação deve ser complementada por precauções, como usar máscaras e evitar aglomerações”, disse Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos ao site de notícias Business Insider. “Mesmo vacinado, eu não iria a um lugar fechado e cheio de pessoas que não estão usando máscaras”, finalizou.

(Texto traduzido. Leia o original, em inglês)