Mundo teve mais casos de Covid-19 em duas semanas do que em 6 meses, diz OMS

Nas últimas duas semanas houve mais casos de coronavírus do que nos seis primeiros meses de pandemia no mundo; Índia e Brasil somam mais da metade dos registros

Joshua Berlinger, Adam Renton, Aditi Sangal e Vital Neto, da CNN
03 de maio de 2021 às 13:50 | Atualizado 03 de maio de 2021 às 19:16
Equipe médica cuida de pacientes em área de emergência de hospital
Equipe médica cuida de pacientes em área de emergência de hospital
Foto: Diego Vara/Reuters

Globalmente, houve mais casos de Covid-19 relatados nas últimas duas semanas do que durante os primeiros seis meses da pandemia, disse o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, durante uma coletiva de imprensa em Genebra nesta segunda-feira (3). 

Dados levantados pela CNN mostram que, entre 19 de abril e 2 de maio de 2021, a OMS registrou 11.439.682 casos de Covid-19. Já entre 30 de dezembro de 2019 – quando foi confirmado o primeiro caso no mundo – e 6 de julho de 2021 foram registradas 11.338.515 infecções. 

“Mais casos de Covid-19 foram relatados globalmente nas últimas duas semanas do que durante os primeiros seis meses da pandemia”, disse Tedros Adhanom. “Índia e Brasil respondem por mais da metade dos casos da semana passada. Mas existem muitos outros países em todo o mundo que enfrentam uma situação muito frágil”. 

A Índia está há 12 dias consecutivos registrando mais de 300 mil novos casos de Covid-19 a cada 24 horas. A OMS fornece equipamentos e suprimentos, como concentradores de oxigênio, ao país, e dá orientações sobre como cuidar, em casa, de pessoas que não conseguem leitos hospitalares. 

A Fundação OMS também está levantando fundos para apoiar a necessidade de oxigênio e suprimentos relacionados em todo o mundo, disse Tedros, que pediu a todos que continuem seguindo as recomendações da organização e dos países em relação às medidas de segurança da saúde pública. 

“O que está acontecendo na Índia e no Brasil pode acontecer em outros lugares, a menos que todos nós tomemos esses cuidados de saúde pública que a OMS vem pedindo desde o início da pandemia”, disse Tedros. “As vacinas são parte da resposta, mas não são a única resposta.” 

(Texto traduzido. Clique aqui para ler a versão em inglês)