Média de vacinação por semana despenca em maio em comparação com abril

Falta de insumos vindos da China fez com que número de doses aplicadas caísse

Raquel Landim
Por Raquel Landim, CNN  
15 de maio de 2021 às 22:25 | Atualizado 15 de maio de 2021 às 22:28

A falta de insumos para a fabricação da Coronavac e da vacina da AstraZeneca no Brasil já se reflete na quantidade de doses aplicadas na vacinação dos brasileiros contra a Covid-19.

A campanha nacional de imunização viu a média diária de doses aplicadas despencar em maio em comparação com o mês de abril, segundo dados do Ministério da Saúde.

No início de abril, o país aplicava, em média, mais de 600 mil doses de vacina por dia. Foram 659 mil doses/dia na primeira semana e 650 mil doses/dia na segunda semana do mês passado. Esse número deu um salto e foi de 784 mil doses aplicadas diariamente na terceira semana de abril, quando começou a cair.

Na última semana do mês, o país aplicou 523 mil doses, em média, por dia. Nas duas primeiras semanas de maio, essa média despencou. Na primeira semana do mês, foi 415 mil doses aplicadas a cada dia; na segunda semana, 280 mil doses diárias de imunizantes utilizadas.

Queda na vacinação contra a Covid-19 no Brasil
Foto: CNN Brasil / Fonte: Ministério da Saúde

A projeção é de que, caso o Brasil tivesse imunizantes em quantidade suficiente para tal, o país poderia aplicar até 1,5 milhão de doses de vacinas contra a Covid-19 todos os dias.

As causas

O Butantan vem tendo problema na entrega das vacinas desde abril. A Coronavac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, está sendo utilizada no programa de imunização chinês, junto com o imunizante da Sinopharm.

Vários países estão recebendo lotes menores que os esperados do IFA (ingrediente farmacêutico ativo), a matéria-prima da vacina, uma vez que o material está sendo direcionado para a própria utilização local na China.

Neste momento, a produção do Instituto Butantan está parada.

A expectativa é a de que um novo lote chegue no sábado (21) ou no máximo domingo (22). As autoridades em Pequim afirmam que já está tudo assinado para que este carregamento seja enviado ao Brasil. Se o avião não chegar com as doses, há de se imaginar que esteja havendo um conflito diplomático mais grave. 

Foto: Reprodução/Polícia Militar de Goiás