Diretora da SBIm: Cuidados devem ser mantidos mesmo após a 2ª dose da vacina

Mayra Moura destacou que usar máscaras, evitar aglomerações e manter distanciamento social são medidas essenciais

Amanda Garcia, da CNN, em São Paulo
19 de maio de 2021 às 10:04
Vacinação contra a Covid-19 na Marquês de Sapucaí
Vacinação contra a Covid-19 na Marquês de Sapucaí (22.abr.2021)
Foto: Reprodução / CNN

Mesmo quem já está completamente imunizado contra a Covid-19 – as pessoas que receberam a segunda dose e completaram o ciclo de 14 dias após a aplicação – deve manter todos os cuidados sanitários. O alerta foi feito por Mayra Moura, diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

Em entrevista à CNN nesta quarta-feira (19), ela explicou que o uso de máscaras, distanciamento social, e evitar aglomerações, por exemplo, são medidas essenciais neste momento da pandemia.

“Enquanto a pandemia não estiver controlada, temos de manter todos os cuidados que já vinham sendo adotados, mesmo por quem estiver completamente vacinado”, disse.

Mayra reforçou que ainda não há estudos científicos que comprovem definitivamente que a imunização impede, por exemplo, a transmissão do vírus.

“A gente precisa ter paciência, só vamos atingir o objetivo principal quando a maioria tiver imunizada, é importante tomar a vacina, ir até os postos, mas continuar com todos os cuidados, tudo do mesmo jeito”, completou. 

Na avaliação de Mayra, os números da Covid-19 no País indicam que a tendência é de alta. “Estamos provavelmente caminhando para o que chamam de terceira onda”, afirmou.

A diretora da SBIm ainda recomendou que as pessoas não busquem “escolher” qual vacina tomar, já que todas são seguras e eficazes: “O importante é vacinar, não há oficialmente os dados, mas já vimos uma queda importante nos óbitos e internações nas populações que foram vacinadas primeiro, os profissionais de saúde e idosos.”

Enfermeira prepara aplicação da vacina da Coronavac em São Paulo
Foto: Danilo M. Yoshioka/Futura Press/Estadão Conteúdo

As vacinas contra a Covid-19 garantem proteção porque previnem a doença, especialmente nas formas graves, reduzindo as chances de morte e internações.

Embora não impeça o contágio e nem a transmissão do vírus, a vacinação é essencial, já que induz o sistema de defesa do corpo a produzir imunidade contra o coronavírus pela ação de anticorpos específicos, segundo a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).