É preciso reforçar medidas para impedir disseminação da cepa indiana, diz médica

Médica epidemiologista Denise Garrett disse à CNN que ainda são poucas as informações sobre a nova variante, mas medidas preventivas são as mesmas já adotadas

Produzido por Renata Souza*, da CNN, em São Paulo
20 de maio de 2021 às 22:46

A médica epidemiologista e vice-presidente do Instituto de Vacinas Sabin, Denise Garret, avaliou com preocupação a confirmação de que foi identificada em território brasileiro, no Maranhão, a nova cepa descoberta na Índia do novo coronavírus, chamada B.1.617.2. 

Em entrevista à CNN nesta quinta-feira (20), a especialista ressaltou que ainda não há muitas informações sobre a variante indiana, mas que as mesmas medidas preventivas já adotadas também são válidas para proteger da nova cepa e, por isso, devem ser reforçadas.

"Se no Brasil ainda não temos vacina para lutar contra essa variante, as outras medidas de proteção, testagem, rastreamento, lockdowns, distanciamento, enfim, todas as medidas têm que ser intensificadas nesse momento para impedir a disseminação da variante no país", disse Denise.

De acordo com a Secretaria de Saúde do estado do Maranhão, seis casos da cepa indiana foram detectados entre os 24 tripulantes do navio MV Shandong Da Zhi, vindo da China.

Na última semana, o navio, que está ancorado na costa do Maranhão, foi posto em quarentena após um indiano de 54 anos, tripulante da embarcação, ser diagnosticado com Covid-19. Ele e outros cinco tripulantes testaram positivo e exames posteriores confirmaram a presença da variante B.1.617.2. 

Segundo Garret, a nova variante já está presente em mais de 40 países e, nos Estados Unidos, já corresponde a 3% dos sequenciamentos genéticos do novo coronavírus.

"É uma cepa que acredita-se ser mais contagiosa, inclusive ela é responsável pelo aumento do número de casos no Reino Unido entre as pessoas não-vacinadas. Apesar de o número de casos por essa cepa ainda ser pequeno, ele dobra a cada cinco dias por lá."

A médica ainda explicou que estudos estão sendo feitos com os imunizantes existentes contra a Covid-19 para averiguar a eficácia contra a cepa indiana. Até o momento, os resultados são promissores, diz Garret.

"O que sabemos é que pelo menos as vacinas que foram testadas estão funcionando contra essa cepa, o que é uma ótima notícia e mais uma razão para vacinar o mais rápido possível o maior número de pessoas", disse Denise.

Isolamento

De acordo com a secretaria maranhense, a equipe médica que atendeu a tripulação do navio se deslocou por via aérea, foi testada antes e depois da ação e permanece em isolamento. 

Em nota, a Anvisa afirmou que "atua em pontos de entrada do país (fronteiras, portos e aeroportos de interesse internacional), definidos como estratégicos pelo Regulamento Sanitário Internacional (RSI)", e que "a ação da agência no caso da embarcação MV Shandong Da Zhi, enquanto se tratava ainda de um caso suspeito, permitiu a confirmação da doença e da nova variante e o isolamento dos suspeitos."

Também na última semana, o governo federal decidiu proibir voos internacionais com origem ou passagem pela Índia.

Pessoas caminham de máscara em Belém (PA) 09/09/2020
Foto: Agência Pará

(*sob supervisão de Jorge Fernando Rodrigues)