É possível que não haja fôlego para criar mais leitos em SP, diz infectologista

Infectologista Marcos Boulos analisou o impacto da nova cepa originária da Índia, e fez um alerta sobre a situação do estado de São Paulo

Produzido por Fernando Pinotti*, da CNN, em São Paulo
24 de maio de 2021 às 18:02

O infectologista e membro do Centro de Contingência da Covid-19 de São Paulo Marcos Boulos afirmou, em entrevista à CNN nesta segunda-feira (24), que, caso a variante da Covid-19 originária da Índia se espalhe pelo país e provoque um aumento no número de casos da doença, há a possibilidade de o estado não conseguir criar mais leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para pacientes do novo coronavírus. 

"Hoje ainda estamos com um sobressalente do número de leitos criados que não foram desmobilizados, então é possível que não tenhamos nem fôlego para criar mais", disse Boulos. "Faltam recursos humanos e os hospitais estão atendendo outras doenças, a situação é muito difícil mesmo." 

Quatro estados brasileiros já monitoram casos suspeitos de contaminação pela nova cepa do novo coronavírus que foi originada na Índia. Na quinta-feira (20), o Maranhão tornou-se o primeiro estado a confirmar casos da nova cepa, identificada em seis dos 24 tripulantes do navio chinês MV Shandong Da Zhi. 

Por conta desses casos analisados, Boulos fez um alerta sobre o acompanhamento da nova variante, e pediu uma ação centralizada do governo federal no monitoramento e na criação de barreiras sanitárias que impeçam a circulação da nova cepa no país.

Apesar da gravidade da situação, Boulos disse que o avanço da vacinação logo deve começar a refletir na diminuição de casos da Covid-19 no país.

"Provavelmente em pouco mais de um mês vamos ter um nível de pessoas imunizadas, tanto pela vacina como pela própria infecção, que já permitirá que a doença não suba mais em um estágio muito grande", afirmou.

"Precisamos ter um pouco mais de paciência, falta pouco para chegarmos ao pico e depois começar a descer. Mas, nesse momento, a chance de crescer, principalmente com essa nova cepa, ainda é muito grande." 

Estrutura de hospitais com leitos de UTI e enfermaria para o tratamento da Covid-19
Foto: CNN Brasil

(*Sob supervisão de Juliana Alves)