De fura-fila a 3ª dose: fraudes na vacinação contra Covid são investigadas em SP

Entre os casos apurados estão os fura-filas, que não respeitam a ordem dos grupos prioritários, além de denúncias de pessoas que tomaram doses extra da vacina

De Victória Cócolo e Jullyanne Jucá, da CNN em São Paulo
06 de julho de 2021 às 23:57 | Atualizado 07 de julho de 2021 às 06:15
Profissional da saúde prepara vacina contra Covid-19 em Santos (SP)
Profissional da saúde prepara vacina contra Covid-19 em Santos (SP)
Foto: Guilherme Dionízio/Estadão Conteúdo (22.jun.2021)

O Ministério Público (MP) e a Secretaria de Justiça investigam fraudes na vacinação contra a Covid-19 em várias cidades do estado de São Paulo. Entre os casos apurados pelos órgãos estão os fura-filas, que burlam o sistema e não respeitam a ordem dos grupos prioritários, além de denúncias de pessoas que tomaram dose extra de imunizantes.

Os dados foram levantados de maneira independente por cada instituição.

De acordo com o SIS, sistema integrado utilizado pelo Ministério Público de São Paulo, de janeiro até a terça-feira (5), foram instauradas 56 investigações para apurar denúncias de pessoas que "furaram a fila" no estado. Dessas, 22 correm na esfera criminal e 34 na área não-criminal.

Com o total de oito registros, a cidade que mais acumula suspeitas desse tipo é a capital paulista, seguida de Barueri, Franca, Indaiatuba e Suzano.

Também há registro de irregularidade em: Mogi Guaçu, Auriflama, Quatá, Botucatu, Limeira, Bragança Paulista, Ourinhos, Buritama, São Caetano do Sul, Campinas, Lençóis Paulista, Catanduva, Mirassol, Franco da Rocha, Nova Odessa, Araçatuba, Penápolis, Itapecerica da Serra, Santa Rita do Passa Quatro, Itariri, São José do Rio Preto, São Sebastião da Gama, Bauru, Urupês, Itu, Águas de Lindóia, Jardinópolis, São Vicente, Mococa, Lucélia, Rio Claro, São João da Boa Vista, Itapetininga, São Roque e  Itirapina.

As informações são analisadas pelos promotores, no caso de indícios de irregularidades, são abertas as investigações nas esferas Civis e Criminais.

Dose extra da vacina

A Secretaria da Justiça informou à CNN que apura o caso de 6 pessoas suspeitas de tomar a ‘terceira dose’ da vacina contra a Covid em São Paulo.

Entre estes estão os estudantes de medicina, alunos da Universidade Nove de Julho, que se aproveitaram da rotina médica para burlar o sistema.

Ainda segundo a Secretaria, se a irregularidade for comprovada todos os envolvidos podem ser processados, sujeitos a multa no valor de até 100 mil reais e prisão - de 1 mês até um ano.

Não há detalhes sobre quando ou onde foram aplicadas as doses extras. Até o momento, nenhuma vacina aprovada no Brasil é aplicada em três doses, além disso, não há evidência de que a dose extra aumente a imunidade.