Quatro a cada dez internados em hospitais públicos estão desnutridos, diz estudo

Falta de alimento adequado pode aumentar tempo de internação e até o risco de morte

Lucas Janone, da CNN, no Rio de Janeiro
07 de julho de 2021 às 11:35

Um levantamento da Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral (Braspen) apontou que quatro a cada dez pacientes internados em hospitais públicos no Brasil estão desnutridos. A pesquisa foi desenvolvida para ressaltar a importância dos suplementos nutricionais orais durante o tratamento das pessoas contaminadas pelo novo coronavírus.

A presidente da Braspen, Melina Gouveia Castro, afirmou à CNN, nesta terça-feira (6), que a alimentação adequada pode agilizar a recuperação dos pacientes com Covid-19. De acordo com ela, a Terapia Nutricional Oral (TNO) pode reduzir em até 37% o risco de morte entre os doentes.

“O propósito é minimizar os riscos de agravamento da doença principal, o estresse do doente e promover a rápida recuperação para que essa pessoa retorne para casa o quanto antes. Quando a gente combate à desnutrição, eles ficam menos tempo internados e, consequentemente morrem menos”, explicou.

A TNO é composta por suplementações que podem ser “líquidas prontas para beber, pastas ou em pó que podem ser preparados como bebidas ou adicionados a bebidas e alimentos, indicadas aos pacientes que estão com necessidades nutricionais”, aponta a pesquisa.

De acordo com a Braspen, pouco mais de 400 hospitais do SUS disponibilizam essas terapias. Isso representa 6,9% das unidades de saúde. Os outros hospitais que disponibilizam essas terapias têm reembolso dos governos estadual ou municipal.  Segundo Melina, existe grande burocracia para conseguir o reembolso federal. A unidade de saúde precisa comprovar que trata de pacientes de alta complexidade.

A pesquisa foi feita com base na análise de 21 estudos nacionais e internacionais que mostram as vantagens dessa terapia para profissionais unidades hospitalares. Segundo o levantamento da Braspen, seria possível reduzir em 13% as taxas de reinternação no período de um mês. Em um ano, seriam 480 mil dias a menos de internações. E mesmo aqueles que recebem a alta hospitalar, aumentam em 50% as chances de reinternação quando não recebem terapias nutricionais adequadas.

Paciente internado em hospital de São Paulo durante a pandemia de Covid-19
Foto: CNN (23.set.2020)

A CNN procurou o Ministério da Saúde para saber por que o SUS não custeia a terapia e se tem previsão para incluir em seus investimentos, mas ainda não teve retorno.

Vida salva pela suplementação oral

O comerciante Gilberto Alves teve o auxílio da Terapia Nutricional Oral para se recuperar da Covid-19. O morador do Rio de Janeiro, 69 anos, ficou quase seis meses internado para tratar a doença, sendo três deles intubado.

“Trabalhei na sexta-feira, não sentia nada, até que no domingo tive falta de ar. Meu genro me levou ao hospital. Internei na mesma hora, na segunda-feira já estava intubado”, lembrou o comerciante da capital fluminense.

Segundo a pesquisa da Braspen, Gilberto Alves está entre um número mínimo de pacientes no país que tem acesso ao TNO.