Ministério da Saúde orienta grávidas a tomarem vacina Pfizer ou CoronaVac

Recomendação para gestantes que já haviam tomado a primeira dose da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca é de que retornem para a segunda dose

Luana Franzão*, da CNN, em São Paulo
08 de julho de 2021 às 13:05 | Atualizado 08 de julho de 2021 às 17:52

 

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou em entrevista coletiva nesta quinta-feira (8) que será retomada a vacinação de gestantes e puérperas sem comorbidades. Aquelas que tomarem a primeira dose a partir de agora devem receber apenas a CoronaVac ou a vacina Pfizer, não utilizando os imunizantes da AstraZeneca ou da Janssen, de dose única.

Para as gestantes que receberam a primeira dose da vacina da AstraZeneca antes da suspensão do uso em grávidas e puérperas, a orientação é que elas devem retornar para uma segunda dose do mesmo imunizante.

A aplicação havia sido interrompida em maio, por uma recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, após a suspeita de que a vacina teria causado uma reação adversa grave em uma gestante no Rio de Janeiro, que veio a óbito.

"Após a análise dos dados e o debate amplo com cientistas e pesquisadores em vacinação, e também dos próprios dados epidemiológicos da pandemia, houve o entendimento de voltar com a vacina nas gestantes sem comorbidades", afirmou Queiroga.

"A vigilância em relação às gestantes que tomaram a AstraZeneca é reforçada, para monitorar a possibilidade de eventos tardios, embora raros, que possam acontecer", explicou.

O secretário de Atenção Primária à Saúde, Rafael Câmara, ginecologista e obstetra que também estava presente na coletiva, afirmou que a aprovação do uso de vacinas em gestantes havia sido um consenso no Plano Nacional de Imunização (PNI), e que a suspensão em maio foi decidida como medida de cautela.

Mulher gestante é vacinada contra a Covid-19
Foto: Hannah Beier/Reuters