Covid: Novas variantes surgirão e principal combate é vacinação, diz professor

À CNN, José Luis Módena apontou que a alta taxa de mutação é característica intrínseca ao coronavírus

Bruna Sales e Amanda Garcia, da CNN Rádio, em São Paulo
13 de julho de 2021 às 13:09 | Atualizado 13 de julho de 2021 às 13:48
Profissional da Fiocruz realiza teste PCR da Covid-19 em morador
Profissional da Fiocruz realiza teste PCR da Covid-19 em morador
Foto: Acervo Fundação Oswaldo Cruz

O aparecimento de novas variantes do coronavírus deve continuar, e a vacinação é a principal forma de controle. Esta é a avaliação do professor do Instituto de Biologia da Unicamp, José Luis Módena, em entrevista à CNN.

Segundo ele, o aparecimento de mutações é um evento natural e esperado dentro do processo evolutivo de qualquer vírus.

O professor explicou que, em um cenário em que ainda há um grande número de pessoas não vacinadas, “o esperado é que a gente ainda tenha que lidar com mutações, de maior transmissibilidade ou não, até o término do programa de vacinação.”

Além disso, a tendência é de que as variantes continuem aparecendo mesmo em um cenário em que a maior parte do mundo tenha sido vacinada, segundo José Luis Módena. “Nós não sabemos ainda como o vírus irá se estabelecer na natureza, em outros hospedeiros. Então, é algo que vamos monitorar em tempo real provavelmente durante anos ainda."

O professor destaca que as ferramentas de sequenciamento genético, combinadas com medidas de atenção de fronteira e combate à disseminação do vírus, são essenciais para o monitoramento.

Módena explica que os cientistas conseguem prever uma maior transmissibilidade de uma variante com base no tipo de estrutura que compõe as proteínas de superfície do vírus.

“O acompanhamento da disseminação daquele vírus é o que realmente vai mostrar se a variante é mais transmissível ou não. Até lá, a vacinação é o que pode minimizar o impacto da tendência natural de mutação”, alertou.