Rio de Janeiro decide antecipar segunda dose da vacina da AstraZeneca

Secretaria Estadual de Saúde pode aplicar segunda dose do imunizante 8 semanas após a primeira

Lucas Janone, da CNN, no Rio de Janeiro
12 de julho de 2021 às 21:12 | Atualizado 13 de julho de 2021 às 01:00

 

O estado do Rio de Janeiro decidiu antecipar o intervalo entre a primeira e segunda dose da vacina contra Covid-19 da AstraZeneca para todos os municípios fluminenses. A informação foi antecipada pelo presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Rio (Cosems-RJ), Rodrigo Oliveira e confirmada posteriormente pelo governo estadual. A medida será publicada em Diário Oficial nesta terça-feira (13).  

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) vai antecipar em pelo menos quatro semanas a aplicação da segunda dose do imunizante, em comparação com o convencionado pelo Plano de Imunização do Ministério da Saúde.  

“Com a descoberta e o avanço de novas variantes, principalmente a Delta, alguns estados, e a própria capital Rio de Janeiro, tem se posicionado, com base em estudos, que seria interessante fazer essa antecipação para ampliar a proteção da população”, diz o comunicado do governo do Rio.

 

A recomendação que antecipa a vacinação da AstraZeneca foi feita na última sexta-feira (09) pelo Consems-RJ e aprovada pela SES. O documento está agora em trâmite para publicação.  

O pesquisador e coordenador do Boletim InfoGripe, Marcelo Gomes, afirmou à CNN que a estratégia adotada pelo estado pode ser interessante. No entanto, ele ressaltou que a medida, feita de maneira equivocada, pode gerar efeitos maléficos.   

"Caso a cobertura da primeira dose já esteja bastante avançada principalmente nas populações de maior risco, pode ser uma estratégia interessante para garantir que essas pessoas tenham a cobertura completa o mais rápido possível, respeitando o intervalo mínimo para resposta adequada. Mas é uma avaliação que envolve diversos fatores, não pode deixar faltar a primeira dose por estar antecipando a imunização de outras pessoas”, explica o pesquisador.   

Já para o infectologista e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Celso Ramos, a decisão mostra dois pontos importantes no calendário vacinal no estado fluminense: a agilidade na imunização e na abundância de doses disponíveis.  

“Eu acho a decisão muito boa, isso mostra que a vacinação está avançando de forma mais rápida e demonstra também que temos um número suficiente de imunizantes”, destacou o professor.  

Celso Ramos também afirmou que a antecipação da segunda dose não interfere na eficácia do imunizante.  

“Não vai interferir no grau de imunização essa antecipação, até porque o intervalo entre as doses ainda segue a recomendação da fabricante”. 

Capital fluminense 

O secretário municipal de saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, afirmou à CNN que vai vacinar todos os cariocas com pelo menos uma dose antes de pensar na possível antecipação da segunda dose.

Profissional de saúde prepara dose da vacina da AstraZeneca contra Covid-19
Foto: Kai Pfaffenbach/Reuters