Cidade do Rio registra cinco novos casos da variante Delta

Secretaria Municipal de Saúde já registra sete contaminações pela variante originária da Índia

Lucas Janone, da CNN, no Rio de Janeiro
16 de julho de 2021 às 21:30
Profissional aplica teste do tipo RT-PCR para detecção do novo coronavírus
Foto: Callaghan O'Hare/Reuters (23.jun.2020)

A Prefeitura do Rio de Janeiro identificou, nesta sexta-feira (16), mais cinco novos casos da variante Delta do novo coronavírus, após sequenciamento genômico. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) já registra sete contaminações pela variante originária da Índia.   

De acordo com a SMS, a variante Delta foi detectada em um homem de 25 anos, morador de Manguinhos, zona norte do Rio, e outras três mulheres de 29, 65 e 47 anos, residentes em Campo Grande, Bangu e Santíssimo, na zona oeste da cidade. Todos os infectados já estão curados. 

Os outros três casos identificados anteriormente na capital são os de uma mulher de 72 anos, moradora de Campo Grande, bairro da zona oeste, e de dois homens, um de 27 anos, residente de Olaria, na zona norte, e outro de 30, morador da Ilha de Paquetá. 

O secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, afirmou que a variante Delta é “muito mais veloz” em relação às outras cepas. Ele destacou que o risco da mutação é conseguir ultrapassar a proteção fornecida pelas vacinas.  

“Qual é o nosso principal risco quando a gente fala de variantes? Elas conseguirem ultrapassar a barreira da vacina. Nossa preocupação é ter alguma variante que as vacinas não tenham uma cobertura adequada, principalmente para internação e óbito. Algumas variantes, como a Delta, já circulam em outros países. A gente já sabe que ela tem uma capacidade de transmitir muito mais veloz que as demais, e há a hipótese de que seja menos letal e cause menos casos graves”, ressaltou Soranz.  

A Prefeitura esclareceu ainda que monitora pelo menos 23 pessoas que tiveram contato com os contaminados pela mutação. 

Ao todo, no estado do Rio, são onze pessoas contaminadas pela variante delta e aproximadamente 40 pessoas monitoradas. Todos estão curados.