Consumo de carne vermelha processada está ligado a doenças cardíacas, diz estudo

Também chamada de doença arterial coronariana, a condição é a principal causa de morte e invalidez em todo o mundo

Sandee LaMotte, CNN
21 de julho de 2021 às 08:03
Café da manhã americano
O café da manhã popular nos Estados Unidos, com ovos, bacon e salsichas, pode ser prejudicial à saúde devido ao nível alto de gorduras saturadas
Foto: Thought Catalog via UnSplash

Comer carne bovina, cordeiro, porco e carnes processadas aumentará o risco de doença coronariana mais tarde na vida, de acordo com uma nova meta-análise de estudos com mais de 1,4 milhões de pessoas que foram acompanhadas por 30 anos.

Também chamada de doença arterial coronariana, a condição é a principal causa de morte e invalidez em todo o mundo. Ela se desenvolve quando depósitos de gordura de colesterol criam um acúmulo de placas nas paredes das artérias que fornecem sangue ao coração.

O risco de doença coronariana aumentou à medida que a quantidade de consumo de carne aumentou, de acordo com o estudo publicado nesta quarta-feira (21) na revista Critical Reviews in Food Science and Nutrition.

Para cada 1,75 onças (50 gramas) de carne bovina, cordeiro e porco consumidos, o risco de doença coronariana aumentou 9%. Uma porção recomendada de carne é cerca de 3 onças (85 gramas), o tamanho de uma barra de sabão ou baralho de cartas, de acordo com a American Cancer Society.

Para cada 1,75 onças (50 gramas) de carnes processadas como bacon, presunto ou salsicha ingeridas, o risco aumentava 18%.

"A carne processada parece pior para doenças cardíacas", disse a co-autora do estudo, Anika Knüppel, epidemiologista nutricional do departamento de saúde populacional da Universidade de Oxford.

"Isso está de acordo com o que foi encontrado para o câncer de intestino, onde a carne processada está associada a um maior aumento no risco do que a carne vermelha", disse Knüppel.

Nove a 18% não parece muito arriscado? Pode parecer, se você considerar que poucas pessoas comem menos de 60 gramas de carne vermelha ou processada em qualquer refeição.

Tome como exemplo um jantar em um restaurante com um típico corte de carne. Filés, lombos e bifes de lombo comidos em uma churrascaria podem pesar entre 255 a 340 gramas. Isso significa que você pode consumir facilmente cerca de 5 a 7 onças (142 a 198 gramas) de carne bovina em uma única refeição. Você comeu bacon no café da manhã? Seu risco é ainda maior.

Nenhum problema com aves

O relatório também trouxe algumas boas notícias para os carnívoros: não parecia haver uma ligação entre comer aves, como frango e peru, e um risco aumentado de doença coronariana.

Consideradas carnes magras, a maioria dos tipos de aves não contém os níveis de gordura saturada encontrados na carne vermelha, nem os altos níveis de sódio que fazem parte das carnes processadas.

A gordura saturada desempenha um papel importante no desenvolvimento de placas nas paredes das artérias, um dos principais contribuintes para os bloqueios associados às doenças cardíacas. O sódio pode aumentar a pressão arterial, também restringindo o fluxo de sangue para o coração.

Mudar para uma dieta baseada em vegetais
Estudos têm mostrado que as melhores dietas a seguir para reduzir o risco de doenças cardíacas são baseadas em plantas.

Nas classificações de melhor dieta para saúde do coração dos EUA News & World Report, a dieta mediterrânea combinada com a dieta DASH e a dieta Ornish se mostram as melhores opções de dieta saudável para o coração.

A dieta Ornish foi criada em 1977 pelo Dr. Dean Ornish, fundador do Instituto de Pesquisa em Medicina Preventiva, sem fins lucrativos, na Califórnia.

Ornish considera a dieta o único programa cientificamente comprovado para reverter doenças cardíacas em um ensaio clínico aleatório sem drogas ou cirurgia. Especialistas dizem, porém, que a dieta é restritiva e difícil de seguir.

A dieta DASH é frequentemente recomendada para reduzir a pressão arterial. Sua premissa é simples: coma mais vegetais, frutas e laticínios com baixo teor de gordura, enquanto reduz o consumo de alimentos ricos em gordura saturada e limite a ingestão de sal.

O plano de refeições inclui três produtos de grãos inteiros por dia, quatro a seis porções de vegetais, quatro a seis porções de frutas, duas a quatro porções de laticínios e várias porções de carnes magras e nozes / sementes / legumes.

Estudos demonstraram que seguir essa dieta pode reduzir a pressão arterial em questão de semanas.

A dieta mediterrânea levou a medalha de ouro de melhor dieta geral no ranking de 2021. Esses elogios não são surpreendentes, pois vários estudos descobriram que a dieta mediterrânea pode reduzir o risco de diabetes, colesterol alto, demência, perda de memória, depressão e câncer de mama.

As refeições da ensolarada região do Mediterrâneo também têm sido associadas a ossos mais fortes, um coração mais saudável e uma vida mais longa.

A dieta apresenta um cozimento simples à base de plantas, com a maior parte de cada refeição concentrada em frutas e vegetais, grãos inteiros, feijão e sementes, com algumas nozes e grande ênfase no azeite de oliva extra-virgem.

Diga adeus ao açúcar refinado e à farinha, exceto em raras ocasiões. Outras gorduras além do azeite, como a manteiga, raramente são consumidas.

A carne pode ter uma aparência rara, geralmente apenas para dar sabor a um prato. Em vez disso, as refeições podem incluir ovos, laticínios e aves, mas em porções muito menores do que na dieta ocidental tradicional. Os peixes, no entanto, são um alimento básico.

Quer fazer da dieta mediterrânea um dos seus objetivos este ano? Comece cozinhando uma refeição por semana à base de feijão, grãos inteiros e vegetais, usando ervas e temperos para adicionar. Quando uma noite por semana for moleza, acrescente duas e prepare suas refeições a partir daí. 

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês.)