Apple lança o SE 2, versão mais barata do iPhone

Entregas do celular começam em 24 de abril nos EUA, ainda sem data para chegar ao Brasil; falta de 5G pode ser empecilho na competição com chineses

Reuters
15 de abril de 2020 às 16:10 | Atualizado 16 de abril de 2020 às 10:13

Com novo iPhone SE, Apple pretende competir com aparelhos chineses; entregas do celular começam em 24 de abril nos EUA e mais 40 países, ainda sem data para chegar ao Brasil

Foto: Reprodução/Apple


A Apple lançou nesta quarta-feira (15) sua versão mais barata do iPhone. O celular, vendido por 399 dólares no site americano da empresa, traz uma redução no preço base do smartphone, em uma movimentação para aumentar o alcance da marca para consumidores menos dispostos a investir nos modelos top de linha, em meio a crise econômica causada pelo coronavírus. 

O modelo, chamado de Iphone SE 2 nos sites de pré-venda, estará disponível para entrega a partir de 24 de abril nos Estados Unidos e mais 40 países. Ele é a segunda geração da linha SE, que começou em março de 2016, poucos meses antes da chegada dos Iphones 8 e X ao mercado, quando o preço do aparelho caiu drasticamente. 

Apesar do valor mais enxuto nos Estados Unidos, a novidade chegará ao Brasil, que não está incluído nesta primeira etapa de vendas, com preços a partir de R$ 3.699. A marca ainda não estabeleceu quando o aparelho começará a ser vendido na filial brasileira. 

O Iphone SE 2 marca o retorno do botão de desbloqueio aos celulares da Apple. O celular repete o visual do Iphone 8, que será descontinuado, mas com o processador do Iphone 11, modelo mais moderno da gigante de tecnologia americana.

Com uma tela de 4,7 polegadas, o Iphone SE 2 não possui rede 5G ou o sistema de reconhecimento facial para desbloqueio do aparelho, que volta a ser por digital no botão central. 

O anúncio do novo modelo, geralmente feito em grandes eventos da marca na Califórnia, foi substituído por um lançamento virtual durante este período em que os Estados Unidos e grande parte do mundo lutam contra o novo coronavírus. 

Com o telefone mais barato, a Apple pretende aumentar a participação da empresa em mercados competitivos para a tecnologia, especialmente a China, onde a marca americana tem apenas 17% das vendas de celulares.

Mas as expectativas da gigante americana podem esbarrar em detalhes técnicos. Apesar do Iphone SE contar com uma câmera de última geração e carregadores sem fio, a falta de conectividade 5G, próxima geração de rede sem fio, diminui a vantagem sobre sua principal rival no país asiático, a Xiaomi, que vende modelos com características parecidas, mas ainda incluindo o 5G, por 425 dólares. 

Com flutuações nas vendas dos Iphones, a Apple vem investindo nos seus serviços por assinatura, como a Apple TV, a Apple Music e o iCloud. A compra do novo SE oferecerá um ano do serviço de streaming da empresa gratuitamente. 

A Apple anunciou em janeiro que tem 1,5 bilhão de aparelhos da marca ativos no mundo e 480 milhões de inscritos em seus serviços paralelos, em comparação com 1,4 bilhão de aparelhos e 360 milhões de assinantes um ano antes. 

Agora, a meta da gigante americana é atingir 600 milhões de assinantes até o final de 2020. Apesar da volatilidade de vendas causada pelo surto do coronavírus no começo do ano, as vendas de aparelhos celulares começam a se recuperar.

Um exemplo são as vendas na China, o primeiro país atingido pela doença. Depois dos 500.000 telefones celulares vendidos em fevereiro, 2,5 milhões já foram comprados em março, de acordo com dados do governo chinês. 

Por agora, a Apple venderá seu novo modelo de smartphone apenas em suas lojas virtuais pelo mundo, com exceção para a China, onde as vendas também ocorrerão nas unidades físicas. Cerca de 31% das vendas da empresa vem de suas lojas próprias e do website, outras 69% partem de lojas terceirizadas.