Twitter remove contas vinculadas a Pequim com mensagens falsas sobre Covid-19

Empresa suspendeu uma rede principal de 23.750 contas altamente ativas além de uma rede maior de cerca de 150 mil contas "amplificadoras"

Katie Paul, Reuters
11 de junho de 2020 às 21:51
Símbolo da rede social Twitter
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O Twitter informou nesta quinta-feira (11) que está removendo centenas de milhares de contas vinculadas a uma operação apoiada por Pequim, que espalhou enganosamente mensagens favoráveis ao governo chinês, inclusive sobre o coronavírus.

A empresa de mídia social suspendeu uma rede principal de 23.750 contas altamente ativas, além de uma rede maior de cerca de 150.000 contas "amplificadoras", que foram usadas para impulsionar o conteúdo das contas principais.

O Twitter, juntamente com pesquisadores que analisaram as contas, disse que a rede não ganhou muita força e, em vez disso, criou uma câmara de eco de contas falsas.

Leia também:

Twitter desativa vídeo de campanha de Trump em homenagem a George Floyd

Twitter adverte publicação de Trump por 'glorificar a violência'

A empresa afirmou que a rede tinha ligações com uma operação anterior apoiada pelo Estado chinês desmontada no ano passado por Twitter, Facebook e YouTube, que vinha impulsionando narrativas enganosas sobre a dinâmica política em Hong Kong.

A nova operação se concentrou fortemente em protestos em Hong Kong, mas também promoveu mensagens sobre a pandemia de coronavírus, o bilionário chinês exilado Guo Wengui e Taiwan, disseram os pesquisadores.

De acordo com Renée DiResta, gerente de pesquisa do Observatório da Internet de Stanford, a atividade da rede em torno do coronavírus aumentou no final de janeiro e elogiava amplamente a resposta da China ao vírus, enquanto também usava a pandemia para antagonizar com os Estados Unidos e ativistas em Hong Kong.