Quarentenas por Covid-19 suavizam vibrações sísmicas no planeta


Reuters
23 de julho de 2020 às 16:17 | Atualizado 23 de julho de 2020 às 16:39
Ilustração de sismógrafo

Ilustração de sismógrafo

Foto: Reprodução/Stanford University

As quarentenas em todo o mundo para conter a Covid-19 levou à redução mais longa e pronunciada nas vibrações sísmicas ligadas à atividade humana já registrada, o que ajuda os cientistas a detectarem terremotos e outros sinais da natureza, diz um estudo publicado nesta quinta-feira (23).

Vibrações viajam pela Terra como ondas, criando ruído sísmico de terremotos, vulcões, vento e rios, bem como ações humanas, como viagens e indústria.

Na pesquisa, publicada na revista Science e conduzida usando redes de sismômetros internacionais, cientistas descobriram que as vibrações ligadas a humanos caíram em uma média de 50% entre março e maio deste ano.

"O período de silêncio de 2020 é a redução global de barulho sísmico antropogênico mais longa e proeminente já registrada", escreveram. O trabalho foi liderado pelo Royal Observatory na Bélgica e cinco outras instituições, usando dados de 268 estações de monitoramento em 117 países.

Leia também:

Emissões de carbono devem ter nível mais baixo desde a Segunda Guerra Mundial

Começando na China no fim de janeiro e seguida pela Europa e o resto do mundo em março e abril, os pesquisadores viram "uma onda de quietude" conforme as medidas de isolamento foram sendo implementadas para frear a pandemia do novo coronavírus.

Viagem e turismo foram suspensos, milhões de escolas e indústrias fecharam e muitas pessoas ficaram confinadas em suas casas.

Essa quietude relativa permitiu que os cientistas "escutassem" em maior detalhe as vibrações naturais da Terra, disse Stephen Hicks, um sismólogo no Imperial College de Londres, que co-liderou o trabalho.

"Isso nos rendeu uma nova janela nos sinais sísmicos naturais, e nos deixou examinar com mais clareza que nunca o que diferencia o ruído humano e o natural", disse.

O estudo diz que as descobertas também mostram que sismólogos podem ajudar a estabelecer em quanto tempo as pessoas reagiram à imposição e suspensão de medidas de lockdown.

As maiores quedas em vibrações humanas foram observadas em áreas densamente povoadas, como Cingapura e Nova York, mas também houve diminuições em locais remotos, como a Floresta Negra alemã e Rundu, na Namíbia. Barbados, onde o lockdown coincidiu com a alta temporada turística, reduziu em 50% o ruído sísmico.