Cientistas buscam ninho de vespas assassinas no noroeste dos EUA


David Williams, da CNN
05 de outubro de 2020 às 13:48 | Atualizado 05 de outubro de 2020 às 14:41
Vespa assassina em pinça

Cientistas no estado de Washington capturam uma vespa-gigante-asiática gigante asiático viva e tentaram marcá-la com um dispositivo de rastreamento para achar o ninho.

Foto: Karla Salp/Washington State Department of Agriculture

Autoridades da secretaria de agricultura do estado de Washington estão trabalhando para rastrear e destruir um ninho de vespas-gigantes-asiáticas (também conhecidas como vespas-mandarinas ou pelo apelido assustador de vespas assassinas) depois que várias foram encontradas recentemente perto da fronteira dos Estados Unidos com o Canadá.

Foram seis avistamentos de grandes vespas invasoras na semana passada perto de Blaine, Washington, de acordo com Sven Spichiger, entomologista do Departamento de Agricultura do Estado de Washington (WSDA, na sigla em inglês).

“Acreditamos, é claro, que estamos lidando com um ninho e observaremos essa área em particular de perto”, contou Spichiger na sexta-feira (2). “Esperamos que este ninho seja localizado dentro de algumas semanas, no mais tardar, e falaremos então sobre como o erradicamos com sucesso”.

Um entomologista foi capaz de capturar uma vespa viva na quarta-feira (30). Foi a primeira captura de uma vespa-gigante-asiática viva nos Estados Unidos, segundo Karla Salp, porta-voz da WSDA.

Os cientistas tentaram anexar um minúsculo dispositivo de rastreamento à vespa na esperança de que ela os levasse de volta ao ninho.

Leia também:
Crânio de 1.200 anos mostra sinais de punições severas na Europa medieval
Cobras voadoras? Veja como elas conseguem deslizar pelo ar
Gatos domésticos livres causam danos à vida selvagem, aponta estudo

Infelizmente, a cola não secou rápido o suficiente, o rastreador escorregou e deixou cola nas asas da vespa - tornando-a incapaz de voar.

Segundo o cientista, novos métodos de prender o rastreador foram testados depois, e, portanto, eles estarão prontos quando pegarem mais vespas vivas.

“Nós cobrimos a área com 30 armadilhas ativas”, relatou Spichiger. “Provavelmente vamos pegar uma, ou mais de uma, e seremos capazes de tentar novamente”.

A vespa gigante asiática, chamada de vespa assassina

A vespa gigante asiática, chamada de vespa assassina

Foto: Divulgação/Departamento de Agricultura do Estado de Washington (31.jul.2020)

Os pesquisadores também colocaram colmeias na área como isca e estão testando um novo dispositivo de exclusão de colmeias que permite que as abelhas saiam livremente, mas prende as vespas maiores.

As vespas-gigantes-asiáticas são as maiores espécies de vespas do mundo e podem crescer até cinco centímetros de comprimento, de acordo com o WSDA. Elas normalmente não atacam humanos ou animais de estimação, mas o fazem se forem ameaçadas. Seus ferrões são mais longos que os de uma abelha e seu veneno é mais tóxico.

Apenas algumas vespas são suficientes para atacar e destruir uma colmeia de abelhas em apenas algumas horas. Elas entram no que é conhecido como uma “fase de abate”, onde decapitam e matam todas as abelhas em uma colmeia e assumem seu controle.

Spichiger disse que as vespas-gigantes-asiáticas são uma ameaça para as abelhas, assim como para vespas nativas e as vespas yellowjacket, que são importantes polinizadores na região. Um proprietário rural conseguiu tirar a foto de uma vespa atacando um ninho de vespas-do-papel no beiral de seu telhado.

Quinze vespas foram encontradas em Washington desde que foram descobertas pela primeira vez no estado em 2019.

As autoridades estão pedindo a todos que virem uma vespa-gigante-asiática que resistam ao impulso de matá-la. Em vez disso, as pessoas devem avisar quando o viram o inseto e em que direção ele estava voando para ajudá-los a descobrir a localização do ninho.

“Há algumas áreas extremamente arborizadas nessa região e pode ser uma tarefa muito difícil encontrar o local exato do ninho”, disse Spichiger.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).