Deep Nostalgia: programa dá vida a fotos antigas com inteligência artificial

Ferramenta simula como uma pessoa fotografada se moveria ou faria expressões na vida real; resultado pode ser ao mesmo tempo fascinante e assustador

AJ Willingham, da CNN
05 de março de 2021 às 18:54
Imagens do programa Deep Nostalgia
Imagens do programa Deep Nostalgia
Foto: MyHeritage

É difícil explicar a mistura de emoções que desperta ver uma foto de Frederick Douglass ganhar vida com o clique de um botão. E, mesmo assim, lá está ele, piscando e balançando a cabeça como se estivesse vivo ontem, como se não tivesse morrido em 1895, anos antes de a gravação de filmes se tornar comum.

Sua imagem animada e outras semelhantes — ao mesmo tempo perturbadoras, emocionantes, e um pouco fantásticas, são realidade graças ao Deep Nostalgia, um programa de inteligência artificial da plataforma de genealogia MyHeritage.

Animadas por meio de inteligência artificial, essas fotos no estilo Harry Potter não têm tecnologia particularmente complexa.

Na prática, os usuários são convidados a fornecer fotos antigas de entes queridos, e o programa usa aprendizagem profunda para aplicar movimentos predeterminados às características faciais. Também compensa pequenos momentos que não estão na foto original, como a revelação de dentes ou a lateral de uma cabeça. Juntos, eles criam, se não um efeito totalmente natural, algo profundamente cativante.

As respostas às imagens criadas pelo Deep Nostalgia (lágrimas ao ver o sorriso de uma avó, um sentimento estranho de conexão com um ícone histórico morto há muito tempo) derrubam uma misteriosa barreira emocional entre nós e esse tipo de tecnologia que está em rápida evolução.

Percepção e emoção

"A atração aqui é que a imagem visual é muito íntima e atraente, e nós respondemos a isso", diz Hany Farid, reitor associado e diretor da Escola de Informação da UC Berkeley. "Somos seres visuais. Quando você vê sua avó ou Mark Twain ganhar vida, há algo fascinante nisso."

Fascinante - e um pouco assustador.

Imagens do programa Deep Nostalgia
Imagens do programa Deep Nostalgia
Foto: MyHeritage

Nossos cérebros, por mais sofisticados que sejam, têm uma resposta pré-histórica a coisas que são quase humanas. Isso é comumente chamado de vale estranho, e um monte de deepfakes e manipulações de imagens impulsionadas por IA disparam este antigo alarme. Até mesmo o MyHeritage aborda essa reação em sua explicação do programa.

“Na verdade, os resultados podem ser controversos e é difícil ficar indiferente a essa tecnologia”, diz a página de perguntas frequentes.

Quando é um parente querido ocupando essa quase realidade, as partes do nosso cérebro que amam e temem são colocadas umas contra as outras, mesmo que saibamos muito bem que o que estamos olhando não é real.

"A maneira como nosso cérebro processa imagens de pessoas é diferente de objetos inanimados. Ele se conecta aos circuitos neurais", diz Farid. "Por anos, fomos capazes de sintetizar objetos inanimados, e isso engana completamente o sistema visual porque não temos noções preconcebidas de como eles se movem. Mas quando se trata de humanos, é um atraso. Parte disso é a maneira sutil nos movemos e reconhecemos esses movimentos. "

"Meu senso de admiração pode ser tingido com um senso de terror", disse La Marr Jurelle Bruce, professor da Universidade de Maryland que compartilhou a imagem animada de Frederick Douglass, capturando a atenção de centenas de milhares de pessoas online.

IA depende de dados e regras

Deepfakes, que são uma fusão sofisticada de áudio e imagens sintéticas, têm sido um ponto de discórdia para os eticistas digitais há anos, especialmente quando se trata de questões como pornografia alterada e vídeos falsos que podem ameaçar instituições nacionais e financeiras.

Para uma aplicação mais positiva, as empresas têm recorrido cada vez mais à tecnologia para criar campanhas publicitárias amplamente personalizáveis. A recompensa, dizem os especialistas, é que o consumidor pode se sentir mais ligado a uma marca ou produto ao ver a maneira específica como ele se encaixaria em sua vida - em um modelo com proporções semelhantes, em seu próprio idioma ou em um micro anúncio direcionado que fala de seus interesses.

Esses tipos de aplicativos fazem um tipo semelhante de conexão ao Deep Nostalgia. Mas o fato é que não há nada de humano na inteligência artificial.

Deep Nostalgia
Imagens do aplicativo Deep Nostalgia
Foto: MyHeritage

Farid tem o cuidado de apontar que o aprendizado de máquina, que é o que impulsiona as tecnologias de animação amplamente disponíveis, como a nova ferramenta do My Heritage, é um campo dentro do mundo da inteligência artificial. O aprendizado de máquina se debruça sobre os dados e encontra padrões. Embora um programa possa melhorar com mais informações, não há nenhuma inteligência ou análise envolvida na maneira como esses padrões são aplicados. 

Existem muitos aplicativos que se beneficiam muito com esse tipo de dados.

“Quando você está prevendo o mercado de ações, você quer padrões”, diz Farid como exemplo. "Ou fazer diagnósticos de câncer. Não preciso entender no momento por que o câncer aparece, só quero saber se aparece."

Quando aplicada a atividades mais humanas, a falta de inteligência transparece.

Os rostos sorridentes de nossos ancestrais, embora comoventes, naturalmente não se sustentam, assim que abandonamos nossa suspensão de descrença.

Renderizações de rostos humanos geradas por IA, outra ameaça à segurança dos ambientes on-line, costumam conter falhas hilárias em que um programa, sem ter certeza do que fazer com coisas irregulares como orelhas ou óculos, cria pequenas monstruosidades escondidas em visões de outra forma convincentes.

Mesmo extremamente sofisticados, verdadeiros deepfakes, como os elaborados de Tom Cruise que estão sendo repassados ??frequentemente, têm pequenas inconsistências que nos fazem adivinhar nosso próprio senso de realidade.

Essas inconsistências, no entanto, irão diminuir à medida que a tecnologia se desenvolve, e Farid diz que chegou a hora de as empresas analisarem criticamente as implicações éticas de seu uso.

“O setor de tecnologia tem feito coisas porque pode e não porque deveria”, diz ele. "Precisamos parar de construir coisas porque são legais e começar a fazer essas perguntas difíceis antes que seja tarde demais."

Antes, digamos, a tecnologia fica tão boa que nossas emoções são capazes de substituir nossos sentidos aguçados de percepção.

Ao usar Deep Nostalgia, o MyHeritage adverte os usuários contra o upload de fotos de pessoas vivas sem o seu consentimento, e diz que a empresa não adicionou opções de áudio para manter a segurança do usuário.

No futuro, talvez outro programa seja capaz de preencher essas lacunas, e poderemos ver, ouvir e conversar com aqueles que perdemos há muito tempo. Essa tecnologia apresentará desafios impressionantes para nossa segurança e ao nosso senso de realidade como os conhecemos.

Mas enquanto ela estiver sorrindo para nós através dos rostos reconfortantes de nossos entes queridos, será muito mais difícil resistir.

(Texto traduzido, leia o original em inglês)