Descoberta de fóssil de 1 bilhão de anos traz nova teoria sobre evolução

Microfóssil pode ser o animal multicelular mais antigo já registrado; descoberta ocorreu na Escócia

Larissa Lucena, colaboração para a CNN
04 de maio de 2021 às 17:27 | Atualizado 04 de maio de 2021 às 18:11
Bicellum brasieri
Denominado Bicellum brasieri, fóssil tem formato de esfera e contém dois tipos de células distintas
Foto: Divulgação/Professor Paul Strother

 

Cientistas da Universidade de Sheffield (Reino Unido) e do Boston College (EUA) encontraram um microfóssil de 1 bilhão de anos que pode ser o animal multicelular mais antigo já registrado. A descoberta, ocorrida na Escócia, foi publicada pela revista Current Biology e revela uma nova teoria para a evolução das espécies.

O fóssil, denominado Bicellum brasieri, tem formato de esfera e contém dois tipos de células distintas. Ele pode ser membro primitivo do grupo Holozoa, mostrando outra perspectiva sobre a transição de organismos unicelulares para animais multicelulares complexos.

 

O Bicellum brasieri traz respostas sobre as origens da multicelularidade complexa e a evolução dos animais. Os cientistas conseguiram estudá-lo graças ao seu estado de preservação, o qual permitiu a análise do nível celular e subcelular.

“A descoberta deste novo fóssil nos sugere que a evolução dos animais multicelulares ocorreu há pelo menos 1 bilhão de anos e que os primeiros eventos anteriores à evolução dos animais podem ter ocorrido em água doce como lagos, e não no oceano”, explica Charles Wellman, coautor do estudo e professor da Universidade de Sheffield.

Paul Strother, líder do artigo e pesquisador do Boston College, disse que “os biólogos especularam que a origem dos animais incluía a incorporação e reaproveitamento de genes anteriores que haviam evoluído anteriormente em organismos unicelulares”.

“O que vemos em Bicellum é um exemplo de tal sistema genético, envolvendo adesão célula-célula e diferenciação celular que pode ter sido incorporada ao genoma animal meio bilhão de anos depois”, finaliza Strother.