Aranha pré-histórica ficou presa com filhotes em âmbar há 99 milhões de anos

Fósseis demonstram "cuidado materno" de aranhas já extintas, dizem pesquisadores

As aranhas fossilizadas em âmbar são a mãe e seus filhotes
As aranhas fossilizadas em âmbar são a mãe e seus filhotes Xangbo Guo/Reprodução CNN

Ashley Stricklandda CNN

Ouvir notícia

Nada fica entre uma aranha-mãe ferozmente protetora e seus filhotes.

A resina que pingou das árvores aprisionou a aranha fêmea adulta e suas aranhas há cerca de 99 milhões de anos, mostrando para sempre o cuidado materno desses artrópodes, de acordo com novas pesquisas.

A família das aranhas Lagonomegopidae está agora extinta, mas as aranhas têm uma longa história e apareceram pela primeira vez durante o período Carbonífero, entre 359 e 299 milhões de anos atrás.

As peças fossilizadas pelo âmbar birmanês contam duas histórias diferentes.

Um estudo detalhando observações das amostras de âmbar foi publicado na terça-feira na revista “Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences”.

Uma “mostra uma aranha lagonomegopidae fêmea agarrando um saco de ovos prestes a eclodir (você pode ver os minúsculos pré-cryos dentro do saco de ovos)”, disse o autor do estudo, Paul Selden, professor emérito Gulf-Hedberg da Universidade de Kansas, em um e-mail.

“Assim é exatamente como se veria uma aranha fêmea viva encontrada em uma fenda na casca de uma árvore (neste caso, pouco antes de ser afogada em resina de árvore)”.

Outros pedaços de âmbar mostram um grupo de pequenas crias que tinham acabado de nascer. Isto mostra que uma aranha lagonomegopidae fêmea protegeu seu saco de ovos de perigos.

Uma vez que as crias eclodiram, os recém-nascidos permaneceram juntos e foram cuidados pela mãe, como mostram os fragmentos de perna de Lagonomegopidae do mesmo pedaço de âmbar.

Isto sugere que os filhotes de aranha provavelmente ficaram perto de sua mãe por algum tempo após o nascimento.

Os pesquisadores ficaram agradavelmente surpresos com “como tudo se encaixou lindamente no lugar. Tínhamos três ou mais espécimes que corroboravam a história um do outro”, disse Selden.

Os pesquisadores usaram uma tomografia computadorizada para detectar pequenos olhos e outras características que revelavam a identidade da aranha, bem como as das minúscula descendentes.

As aranhas Lagonomegopidae podem ser distinguidas porque tinham um par de olhos grandes localizados nos cantos dianteiros da cabeça.

Outros fósseis conhecidos destas aranhas revelaram que elas tinham um tapete refletor nos olhos, semelhante a outras criaturas noturnas; pense, por exemplo, na forma como os olhos de um gato brilham no escuro.

Estas aranhas agora extintas se assemelham às modernas aranhas saltadoras, mas não estão relacionadas de forma alguma.

As aranhas são conhecidas por exibirem cuidados maternos, mas os exemplos fossilizados disso são extremamente raros.

“Embora esperássemos que as aranhas tivessem tido instintos maternais desde o início, é, sem dúvida, muito bom ter provas físicas reais do registro fóssil de cerca de 100 milhões de anos atrás”, disse Selden.

Mas o que significa realmente o cuidado materno, visto em muitas espécies de aranhas vivas hoje em dia?

“O cuidado materno refere-se a qualquer esforço dos pais que melhore a aptidão de seus descendentes, e muitas vezes a um custo para a sobrevivência e reprodução futura dos pais”, escreveram os pesquisadores no estudo.

“Sua evolução representa um grande avanço na adaptação dos animais ao meio ambiente e tem implicações importantes para a evolução da sociabilidade”.

Outros artrópodes que exibem este tipo de cuidado incluem insetos e crustáceos.

Selden e seus colegas continuarão a procurar “outros casos de comportamento congelados no tempo”.

Mais Recentes da CNN