Trecho mais visitado da Muralha da China reabre aos visitantes


Lilit Marcus e Maggie Hiufu Wong, da CNN
25 de março de 2020 às 11:58
China reabriu trecho da Muralha perto de Pequim

Badaling, a cerca de 70 km de Pequim, é o trecho mais visitado da Muralha da China

Foto: Kevin Frayer - 24.mar.2020/ Getty Images

Uma pequena parte da Muralha da China reabriu aos visitantes na quarta-feira (24), um sinal de que a vida na China está lentamente voltando ao normal após a epidemia de coronavírus.

O trecho Badaling da Muralha, que se estende de Bei Liu Lou a Nan Wu Lou Ban, funcionará diariamente das 9h às 16h.

A cerca de 70 quilômetros de Pequim, este é o pedaço mais popular do muro para turistas, a ponto de oficiais terem instituído um limite de 65 mil visitantes por dia em junho de 2019.

As autoridades chinesas disseram em um comunicado que só permitirão 30% do número habitual de visitantes na área por enquanto – pouco mais de 20 mil pessoas por dia.

Para poder entrar, os visitantes devem primeiro reservar um ingresso com antecedência, no site oficial da Muralha da China de Badaling ou no aplicativo WeChat da China.

Depois, ao chegarem ao local, suas temperaturas serão verificadas. Os visitantes devem ter um QR code com um atestado de saúde devidamente regularizado. Trata-se de um sistema que usa os aplicativos AliPay ou WeChat conectados ao cartão de identificação e que mostra um sinal verde ou saudável antes da entrada no muro.

Os visitantes também devem usar máscaras e permanecer pelo menos a um metro de distância um do outro o tempo todo.

Profissionais de saúde e militares da ativa terão entrada gratuita, mas também terão que seguir o mesmo conjunto de regras.

Para todos os demais, os ingressos custam 35 Remimbi (cerca de R$ 25) durante a baixa temporada, que termina em 30 de março, e 40 Remimbi (R$ 28) durante a alta temporada, de 1º de abril a 1º de outubro.

Normalmente, mais de 10 milhões de pessoas visitam a Muralha da China todos os anos. O local, que é Patrimônio Mundial da UNESCO, foi fechado aos visitantes em 25 de janeiro, quando a epidemia de coronavírus começou a aumentar na região.

Todas os outros trechos da Muralha permanecem fechados, assim como o teleférico e o Museu da Muralha da China em Badaling. Muitos outros locais em toda a China permanecem fechados, incluindo o complexo da Cidade Proibida em Pequim e a Disneylândia de Xangai.