Olhe para cima: Internet ajuda a explorar o céu durante quarentena

Usuários e aplicativos orientam entusiastas de astronomia

Kristen Rogers, CNN
29 de março de 2020 às 13:50 | Atualizado 29 de março de 2020 às 14:47
Via Láctea
A Via Láctea: galáxia abriga o sistema solar e pelo menos 100 bilhões de estrelas
Foto: Free-Photos/Pixabay
Observar a paisagem celeste pode nos conectar numa época em que somos forçados a nos separar fisicamente. Essa foi a ideia de Megan Eaves, escritora e astrônoma amadora que estava navegando pelo Twitter e lendo as reclamações dos usuários sobre não poder sair de casa. A disseminação do coronavírus forçou muitos países a emitir regras de distanciamento social.

Ao olhar o Twitter, Megan teve um estalo: “Pensei: 'Bem, se estamos todos presos aqui olhando para o Twitter, por que não sair e olhar juntos para as estrelas?"

Em 15 de março, ela começou a liderar sessões virtuais de observação de estrelas no Twitter - com a hashtag #Starentine criada por Jen Rose Smith, uma escritora freelancer e colaboradora do CNN Travel.

“Funciona assim: todo mundo sai mais ou menos no mesmo horário todas as noites, onde quer que esteja, e olha um pouco para o céu", conta Megan. “A gente que todos aqui vivem sob o mesmo céu, o que é lindo. Eu acho que isso traz um senso de conexão e espero que possa nos unir em um pequeno caminho durante esse período de dificuldades assustadoras".

Como funciona

Algumas vezes por semana, Megan publica tópicos do Twitter sobre observação de estrelas ou tópicos do céu noturno com foco em um objeto específico (como uma estrela, planeta ou constelação) visível no Hemisfério Norte naquela noite.

De seu ponto de vista na Inglaterra, ela compartilha os horários em que os objetos estão visíveis, como se orientar para que você possa vê-los, onde procurar e outras dicas, fornecendo suas informações com base em sites de observação, incluindo a NASA, In the Sky e Time and Date.

A primeira sessão de observação de estrelas no início de março se concentrou no planeta Vênus como uma introdução às vistas facilmente visíveis no céu noturno.

“Quando as pessoas, incluindo eu, saem e olham para o céu noturno, a sensação de encarar tanta ciência pode ser irresistível", opina. “Eu me concentrei um pouco em alguns fatos e informações básicas sobre Vênus, sobre o tamanho de Vênus, por que é tão brilhante no céu noturno e esse tipo de coisa."

Megan também falou aos participantes sobre a mitologia e etimologia de Vênus. Ela terminou a sessão com obras de arte e poesia inspiradas no planeta, incluindo "Starry Night", de Van Gogh, que apresenta Vênus como estrela da noite, e um poema de William Blake. Na quinta-feira, ela discutiu Sirius, a estrela mais brilhante no céu noturno.

Sistema solar
Vênus, chamada de "estrela dalva", pode ser vista no céu noturno no final de março, quando o planeta atinge seu maior alongamento do sol.
Foto: Mary Pat Hrybyk-Keith/NASA

Outra indicação da escritora são os aplicativos móveis que localizam geograficamente as pessoas com base em suas coordenadas GPS e usa para apontar o que acima delas, como o SkyView.

Há algo reconfortante em observar coletivamente as estrelas enquanto estamos distantes uns dos outros, acredita Megan. “Saber que você está sentado e olhando para o mesmo céu que outra pessoa, mesmo que você não esteja lá com ela, é quase quântico. É uma sensação espiritual, que você está tendo uma experiência compartilhada, mesmo que não esteja próximo um do outro ou esteja fisicamente presente um com o outro. "

“Acho que todos estamos sendo forçados agora a desacelerar, se acalmar, parar de se mover e fazer tanto, e isso é assustador. Mas é bom também para lembrar de que estamos juntos nisso", continuou. “Talvez essa seja uma maneira de acessar um sentimento pelas pessoas".

Alternativas

Observar as estrelas pode ser muito meditativo, acha Megan. “Para mim, isso tem um efeito parecido como ir à praia ou escalar uma montanha. Quando você chega ao topo e fica parado olhando, há muito para ver. Você pode rastrear o movimento das estrelas no céu e pode ver as estrelas subindo e se pondo."

“Isso força você a ficar sentado, dar uma olhada, respirar e não fazer mais nada. Você acaba processando suas emoções enquanto faz isso, simplesmente por estar sentado sem nenhuma outra distração." Se você não gosta do Twitter, existem outras maneiras virtuais de ver as maravilhas do céu.

O Virtual Telescope Project, por exemplo, oferece passeios virtuais pelo cosmos e imagens do céu em tempo real para todos no mundo. Ele também oferece sessões de observação online abertas ao público conduzidas por astrofísicos.

O SkyView, telescópio virtual da NASA, permite que os fanáticos do espaço explorem o cosmos através de imagens produzidas com ondas de rádio, luz UV ou luz de raios-X. Os visitantes online também podem enviar um pedido para os astrônomos capturarem uma parte específica do céu que queiram ver. A página do telescópio espacial Hubble traz as últimas imagens e vídeos do espaço.

O WorldWide Telescope da Sociedade Astronômica Americana permite a navegação visual através de dados astronômicos, planetários e terrestres.

A Slooh, uma rede de telescópios on-line, tem transmissões ao vivo de 10 telescópios por 20 horas por dia, incluindo a vista principal do Observatório das Ilhas Canárias, no Marrocos, até o Observatório do Hemisfério Sul, no Chile.

O rastreador Spot the Station da NASA mostra onde a Estação Espacial Internacional está atualmente localizada em uma órbita ao redor da Terra e o caminho pelos próximos 90 minutos. A melhor hora para localizá-lo é logo antes do nascer do sol ou logo após o pôr do sol, quando está escuro o suficiente para ver o reflexo dos painéis solares da estação. Você pode configurar notificações por telefone para quando estará visível em sua área.

Observar as estrelas e aprender sobre o espaço e o céu também podem servir como outra forma de entretenimento unificador quando nossas opções comuns estão acabando.

“É uma experiência semelhante à de quando assistimos a um grande evento esportivo na TV e temos essa sensação de entusiasmo em todo o mundo. Podemos ter uma experiência coletiva compartilhada e saber que todos estamos olhando para o mesmo céu noturno, que não estamos sozinhos, que não estamos isolados. Mesmo que tenhamos que nos isolar fisicamente em nossas casas agora, na verdade não estamos sozinhos", disse Megan Eaves. “Estamos todos juntos nesse pedacinho de rocha no universo grandioso."

Brandon Killman, da CNN, contribuiu para esta reportagem.