Ricos mantêm planos de viagem (ligeiramente alterados), mesmo com quarentena


Stacey Lastoe, Shivani Vora CNN
30 de março de 2020 às 05:11
Kiawah Island, na Carolina do Sul

Kiawah Island, na Carolina do Sul, recebe os proprietários de imóveis com comodidades limitadas

Foto: Cortesia de Kiawah Island Real Estate

Enquanto muitos hotéis em todo o mundo estão fechando as portas, outros estão se adaptando para virar instalações médicas e alguns viraram moradia temporária para enfermeiros e médicos nas linhas de frente do coronavírus. Há também hotéis funcionando normalmente. E, por fim, aqueles que ficaram ainda mais caros.

Enquanto a maioria da população mundial está ficando em casa até que a ameaça do coronavírus passe, algumas pessoas mais ricas buscam consolo arrendando pequenos hotéis, alugando imóveis em locais remotos ou fugindo para casas de temporada com família estendida.

Aparentemente, viajar no tempo do coronavírus ainda é possível, embora inacessível para a maioria.

Os arrendamentos
A Loungueville House, situada numa bela zona rural a menos de três horas de carro de Dublin, na Irlanda, será ocupada por um único grupo em maio. Francis Lynch, sua esposa e seus dois filhos adultos jovens terão a casa de nove quartos para si.

Francis e sua família, que moram em Dublin, quase sempre viajam para outros países nas férias, inclusive para Itália, Estados Unidos e Índia. Eles mudaram os planos neste ano por causa do coronavírus.

“Queremos permanecer no nosso país e nos sentir seguros ficando isolados", conta Francis.

O aluguel da Longueville House por 10 dias (e mais de 25 mil euros) veio em boa hora.

“Quando você fica em um hotel com outras pessoas, é difícil não ter interação social", relata o irlandês. “A melhor maneira de ter privacidade quase total e controlar seu ambiente é ter todo o lugar para você".

Siobhan Byrne Learat, proprietária da empresa de viagens Adams & Butler, com sede em Dublin, conta que recebeu numerosos pedidos de aquisição de hotéis na Irlanda de sua clientela irlandesa desde que a disseminação do coronavírus se intensificou no país durante a segunda semana de março. Vários desses pedidos levaram a reservas confirmadas (Lynch alugou a Loungueville House através dela).

“O interesse pelas propriedades de uso exclusivo aumentou repentinamente", relata Siobhan. “Mas as pessoas não querem uma equipe completa e limpeza diária, como normalmente aconteceria se não fosse pelo vírus. Eles querem manter os serviços no mínimo possível e assim evitar a interação com os outros ".

Nos Estados Unidos, vários hotéis começaram a oferecer aquisições após o vírus.

O Cape Arundel Inn, em Kennebunkport, Maine, é um exemplo.

“Esta é uma nova oferta que estamos implementando para o mês de abril. Muitas casas de temporada nessa área viraram m um refúgio para as pessoas que vivem em áreas urbanas altamente populosas desde que o vírus chegou", relata o diretor do hotel, Justin Grimes. “Queríamos oferecer opções adicionais de acomodação para aqueles que tentam se distanciar de ambientes urbanos densos e multifamiliares".

O luxuoso hotel com vista para o mar possui 14 quartos, e o valor para o aluguel de uma semana de 19.500 dólares inclui limpeza semanal, bicicletas e acesso ao salão do clube, que possui uma mesa de bilhar e serve todas as refeições.

O gerente criou vários protocolos para manter seus convidados e funcionários em segurança durante o aluguel. Os check-ins agora são virtuais, por e-mail e telefone, e mimos de boas-vindas estão sendo deixados para os hóspedes na chegada. Já as refeições podem ser preparadas com antecedência e deixadas para os horários designados ao estilo da família. Tudo é limpo depois que os convidados terminam e deixam o espaço. Os alimentos também podem ser entregues nos quartos em embalagens de uso único e serão deixados do lado de fora da porta dos hóspedes para serem recolhidos.


Quando os hóspedes batem na porta

O Blantyre Country Resort, um estabelecimento da rede Relais & Chateaux em Berkshires, em uma área de 44 hectares e com 24 acomodações, está disponível para arrendamento desde que o coronavírus chegou. Normalmente fechado nesta época do ano (em geral abre em maio para a temporada), o Blantyre abrirá uma exceção para os hóspedes que desejam reservar toda a propriedade para uma única família ou pequeno grupo.

“Embora estejamos no meio de nosso recesso anual de inverno, recebemos várias ligações de muitos de nossos hóspedes fiéis perguntando se consideraríamos reabrir para um aluguel”, explica o gerente geral Stephen Benson. “Mais do que nunca, as pessoas querem ser transportadas para longe de tudo com a família e as pessoas queridas, e reservar nossa mansão dos anos dourados é uma maneira de fazer isso."

Essa reclusão não sai barata: a diária de 38 mil dólares por dia inclui refeições, uma atividade diária de bem-estar, como uma sessão de meditação. e entretenimento noturno ao piano.

Blantyre Country Resort

O Blantyre Country Resort, um estabelecimento da Relais & Chateaux em Berkshires, situado em 44 hectares e com 24 acomodações, também ficou disponível para aluguel desde que o coronavírus chegou

Foto: Blantyre Country Resort/ Cortesia

Enquanto isso, Lyon Porter, dono de várias propriedades, incluindo uma em Catskills, no norte de Nova York, diz que segue as instruções do governo e permanece temporariamente fechado até que seja seguro reabrir.

Lyon conta que o Urban Cowboy Catskills foi "inundado de pedidos" de possíveis viajantes que procuram acomodações. No momento, porém, eles estão mais preocupados com a segurança e a saúde de sua equipe - e não com um aluguel.

Como vários hotéis permanecem abertos para os hóspedes, mesmo em estados que emitiram pedidos estritos de ficar em casa, não está claro quem deveria (ou teria permissão para viajar) para esses destinos. Ciente de vários hotéis no norte de Nova York que continuam a receber hóspedes, Lyon chama isso de "decisão pessoal".

A Williamson Estates, na região de Finger Lakes, no estado de Nova York, por exemplo, está pronta e esperando para ser alugada. Ao contrário de outras propriedades que estão disponíveis para aluguel de um único cliente, a propriedade funciona como um aluguel de casa. Disponível através do VRBO, a Williamson Estates cobra 800 dólares por diária e é uma acomodação mais modesta.

Situado numa propriedade de dois hectares, o local tem cinco quartos e fica perto da região vinícola de Finger Lakes, que está em ascensão. Embora esteja quase totalmente lotado para os meses de verão, está vazio agora.

Carleen Frost, gerente da Williamson Estates, descreve a propriedade como "uma jóia escondida no lago Ontário". A 40 minutos do aeroporto de Rochester, ela conta que muitos hóspedes chegam em jatos particulares vindos de Nova York.

Urban Cowboy nas Catskills de Nova York

O Urban Cowboy nas Catskills de Nova York está fechado para os hóspedes

Foto: Ben Fitchell/ Cortesia


Retiros suburbanos

O aluguel de casas nos Estados Unidos em ambientes isolados também aumentou nas últimas duas semanas, de acordo com dados do Guesty, um software de gerenciamento de propriedades que várias plataformas de aluguel de casas, incluindo Booking.com e Airbnb, usam para gerenciar seus aluguéis de curto prazo.

Omer Rabin, diretor administrativo de Guesty para as Américas, disse que, embora as reservas gerais tenham caído entre 50% e 60% por semana desde meados de março, em comparação com o mesmo período do ano passado, as reservas de propriedades em áreas suburbanas e remotas têm sido consistentes.

“A maioria das áreas onde as pessoas estão reservando fica perto das principais cidades", relata. Tais destinos incluem o Hudson Valley e o Catskills, perto de Nova York; Sonoma e Napa, perto de São Francisco; e montanhas rurais a uma curta distância de Denver.

A duração dessas reservas também é digna de nota: “Em vez de ficar uma semana, eles estão reservando por duas ou três semanas. Vimos até dois meses ", conta Omer Rabin.

O aumento de visitantes em certas áreas, muitas das quais com recursos limitados, nesse período precário, causou tensão significativa. Apesar da orientação de "confinamento em casa" da Califórnia, alguns moradores do estado deixaram suas casas e foram para a região de Lake Tahoe.

Liz Bowling, diretora de comunicações e relações públicas em North Lake Tahoe, disse que o número de visitantes da região, apesar do governo e das autoridades de saúde pedirem que as pessoas fiquem em casa, tem sido desconcertante. Ela explica: “Como destino, podemos dizer 'não viaje para cá', mas o problema realmente está nos aluguéis de curto prazo que ainda são promovidos com uma linguagem e preços que incentivam a visita".

O destino pode não ser capaz de dizê-lo, mas o oficial de saúde do condado pode. Em 24 de março, North Lake Tahoe anunciou que os aluguéis de curto prazo para uso comercial não são mais permitidos. O mesmo está acontecendo em Palm Springs, na Califórnia .

A segunda casa
Como os aluguéis de hotéis inteiros ou propriedades estão fora do alcance da maioria da população mundial e há potencial de mais restrições de aluguel de curto prazo em todo o mundo, as casas de temporada ou as segundas residências são opções de viagem na época do coronavírus.

Na ilha de Kiawah, na Carolina do Sul, onde o preço inicial das casas é de meio milhão de dólares e chega a 20 milhões no topo, os proprietários de segundas residências da região metropolitana de Nova York, Atlanta e Charlotte estão capitalizando sua boa sorte. Os “sortudos” estão se retirando para a ilha Kiawah. Como conta Patrick Melton, o golfe nunca foi tão popular como agora.

Patrick Melton é o fundador da South Street Partners, proprietária e administradora do Kiawah Island Club & Real Estate e The Cliffs, nos arredores de Asheville, Carolina do Norte, onde as casas custam entre 400 mil e 4 milhões de dólares.

As restrições do coronavírus do estado da Carolina do Sul permitem que agentes da lei proíbam ou separem encontros de três ou mais pessoas, se considerarem necessário. Patrick Melton disse à CNN que sua propriedade tinha dificuldade em controlar as restrições de distância.

No entanto, o aumento de viagens para a área de fora do estado levou ao decreto do governador Henry McMaster, de 27 de março, permitindo que qualquer pessoa que viesse para o estado de Nova York, Nova Jersey, Connecticut e para a cidade de Nova Orleans, Louisiana, fizesse auto-quarentena por 14 dias.

As comodidades regulares do Kiawah Island Club, como academia, spa, piscina interna e externa e restaurantes fecharam em resposta ao coronavírus, mas o campo de golfe (e o serviço de comes e bebes) continuam funcionando. “Não é o pior lugar para se acalmar", diz Patrick.