O que aconteceu em Santorini enquanto não havia mais turistas


Adrian Mourby, da CNN
20 de junho de 2020 às 11:37 | Atualizado 04 de julho de 2020 às 00:13
Grécia

Santorini é ilha mais visitada de Grécia e espera receber viajantes a partir de 1° de julho

Foto: Reprodução/Pixabay

Há uma razão para o primeiro-ministro da Grécia, Kyriakos Mitsotakis, ter voado para Santorini no início deste mês, quando ele queria anunciar a reabertura de seu país ao turismo.

Quando o sol da tarde começa a mergulhar atrás da borda do vulcão extinto do qual a ilha faz parte, é uma das oportunidades fotográficas mais românticas e bonitas do planeta.

É uma visão que ajuda a tornar Santorini a ilha mais visitada da Grécia, recebendo até dois milhões de turistas anualmente - muitos chegando em navios e cruzeiros gigantescos que normalmente podem ser vistos estacionados no meio da baía.

A ilha receberá os visitantes internacionais de avião a partir de 1º de julho, mas os avisos sobre o novo coronavírus significam que, seus números devem ser menores do que antes, e caso contrário, os navios de cruzeiro não voltarão tão cedo.

E enquanto isso significou um tempo brutal para algumas empresas, alguns estão gostando da perspectiva de uma nova era, em que a beleza de Santorini possa florescer sem ser transformada em uma "máquina de fazer dinheiro".

Golpe duplo

O impacto do lockdown da Covid-19 já foi dramático o suficiente para um lugar que depende do turismo em 90% de sua renda. No caso de Santorini, o bloqueio foi um golpe duplo, já que a ilha havia começado recentemente a abrir seus hotéis e restaurantes o ano todo.

Durante esse isolamento forçado, apenas residentes de Santorini foram autorizados a permanecer na ilha. Os hóspedes do continente tiveram que voltar para casa e nenhum novo turista foi permitido. O fechamento drástico funcionou. Nenhum caso da doença potencialmente mortal foi diagnosticado em Santorini.

Embora a ilha esteja se abrindo novamente, todo mundo está sendo cuidadoso. A proteção pessoal não será apenas para o benefício dos hóspedes.

"Ninguém em Santorini quer pegar Covid", diz Joy Kerluke, que dirige a Taverna de Dmitri, na Baía de Ammoudi. "Devo dizer que, com o bloqueio, nos sentimos seguros em Santorini, pois não tínhamos casos e ninguém estava vindo para cá. Acho que todos gostamos da paisagem e da tranquilidade por um tempo".

Santorini, com suas falésias e igrejas de cúpula azul, terá a mesma aparência, mas desta vez vazia.

"Esperamos 15% dos visitantes em comparação com os anos anteriores", diz George Filippidis, gerente geral do hotel Andronis Suites, em Santorini. "Os danos econômicos serão enormes. Operaremos com prejuízo até 2020, mas queremos abrir para oferecer emprego a nossa equipe e apoiar a comunidade local que é totalmente dependente do turismo".

Leia também:

Maldivas suspendem todas as restrições para visitantes

Hotéis de luxo na Ásia fazem promoções durante pandemia do novo coronavírus

Mapa interativo ajuda turistas com informações sobre situação de países europeus

Calma e sem aglomeração

Santorini

"Minha opinião é que nessa catástrofe haverá vencedores", diz Gill Rackham, que administra um restaurante na ilha. "Santorini teve uma folga para respirar novamente... Sem multidões, sem engarrafamentos ... Sem navios e cruzeiros".

Foto: Reprodução/Pixabay

A completa ausência de visitantes permitiu a conclusão de vários grandes projetos. "O novo terminal do aeroporto já está operando", diz o gerente Filippidis. "A nova estrada que liga Oia ao aeroporto, e parte do porto de Athinios, também foram concluídas, portanto, a mobilidade na ilha será muito mais fácil".

Para um destino que ficou atrás apenas de Veneza com seus problemas de navios e cruzeiros, o fato de pouquíssimas grandes embarações (se houverem) voltarem em 2020 é considerado uma boa notícia. Com cada navio transportando até 3 mil pessoas , esses hotéis estavam sempre lotados.

"Nenhuma chegada de navio ou cruzeiro foi confirmada ainda", diz Filippidis. "E mesmo se eles começarem a chegar em algum momento, será muito limitado."

No Dmitri's Taverna, um dos poucos restaurantes à beira do cais que oferece uma vista ininterrupta do famoso pôr do sol de Santorini, Kerluke está tendo que afastar as mesas e preparar equipamentos de proteção individual.

"Teremos menos mesas ao longo do cais, o que, para nós é difícil, pois já temos uma pequena taverna", diz ela. "E usaremos máscaras e luvas. Haverá anti-séptico para nossos clientes também."

Kerluke, que chegou do Canadá há 25 anos, diz que há um consolo.

"As pessoas que decidirem vir a Santorini terão um tempo agradável", diz ela. "Eles verão Santorini, quieta e sem aglomeração, como costumava ser."

'Tempo estranho'

Santorini

"Santorini é um dos lugares mais bonitos do mundo, mas tenho certeza de que o lockdown foi útil", diz Petros Vamvakousis. "Parou a máquina que só fazia dinheiro e não se importava com o meio ambiente".

Foto: Reprodução/Pixabay

Além do turismo, o outro pilar da economia de Santorini são as suas vinícolas. Os vinhos únicos de Santorini, produzidos em Assyrtiko, são exportados para todo o mundo, e a maioria das 18 vinhas da ilha está aberta aos visitantes.

Até agora, a safra de 2019 deve estar em restaurantes e supermercados em toda a ilha, mas Petros Vamvakousis, gerente da Vinícola Venetsanos, diz que o lockdown interrompeu a distribuição.

"Nossa safra de 2019 permanece dentro de tanques e barris de aço inoxidável", diz ele. "Deveria ter sido engarrafado entre fevereiro e abril, mas as cinco pessoas que fizeram isso tiveram que ficar em casa. Agora estamos tentando recuperar o atraso.

"Normalmente produzimos 50 mil garrafas por ano, mas dependemos de exportações e, atualmente, elas são quase nulas. Nosso distribuidor nos Estados Unidos nos informou que, enquanto os restaurantes permanecem fechados nos EUA, não há mercado para o vinho de Santorini nos Estados Unidos".

Como muitas vinícolas, a Venetsanos conseguiu, até a crise, obter receita com degustações e passeios turísticos. Entre penhascos com vista para o porto de Athinios, a vinícola tem um belo terraço onde o vinho é servido com lanches, mas Vamvakousis diz que o número de pessoas que podem ser acomodadas será limitado a quatro ou seis por mesa a partir de agora.

"Estamos vivendo um tempo esquisito", diz ele. "Tudo na ilha me lembra o inverno. Muitos restaurantes, cafés e hotéis estão fechados. Agora é verão e é extremamente estranho Santorini ficar tão quieta e solitária."

Parando a 'máquina'

Santorini

As ruas estreitas de Santorini ficaram desertas durante o recente bloqueio da Covid-19 na Grécia.

Foto: Reprodução/Pixabay

Vamvakousis diz estar otimista, mas acredita que a crise forçada ajudará a instigar uma reavaliação do futuro da ilha.

"Santorini é um dos lugares mais bonitos do mundo, mas tenho certeza de que o lockdown foi útil", diz ele. "Parou a máquina que só de preocupava em fazer dinheiro e não se importava com o meio ambiente. Agora é a hora certa de pensar no que havia de errado com Santorini. Temos o direito de proteger a ilha, mas não temos o direito de destruí-la".

Embora o dinheiro seja um grande problema em 2020, nem tudo na temporada turística interrompida é um desastre. Gill Rackham, originária da Grã-Bretanha, que administra o restaurante Lotza e os apartamentos Oia Old Houses com seu marido Vasilis há mais de 30 anos, vê resultados contraditórias.

"Há cerca de um mês, nossas reservas de julho estavam com boa aparência, aproximadamente 75% de ocupação, mas agora caíram para 20% e continuam decrescentes", diz Rackham. "Mas minha opinião é que nessa catástrofe haverá vencedores. Santorini recebeu um descanso para respirar novamente... Sem multidões, sem engarrafamentos ... Sem navios e cruzeiros".

Rackham notou que "nas praias de Perivolas e Perrissa existem algumas tabernas em funcionamento, mas a maioria é para visitantes gregos e atenienses. Os proprietários de outros lugares estão começando a voltar a abrir para 1º de julho, que é a data prevista para voos internacionais".

Alguns hotéis passaram o período de três meses para repensar a forma como interagem com os hóspedes. "Vamos oferecer nossos serviços digitalmente", diz George Filippidis, na Andronis.

"Você poderá fazer check-in on-line, pedir coquetéis, reservar um cruzeiro nas águas azuis do mar Egeu e verificar quando sua viagem termina, simplesmente usando o seu dispositivo móvel".

Vantagem da lua de mel

De fato, o modelo de privacidade que tornou Santorini tão bem-sucedido como um destino de lua de mel poderia muito bem trabalhar a seu favor.

"Em vez de grandes hotéis com grandes espaços públicos, a maioria das suítes de Santorini têm entradas privadas e varandas com uma piscina ou jacuzzi, que são limpas e cloradas diariamente", diz Filippidis. "O café da manhã é servido no quarto, não no refeitório. É ideal para hóspedes que desejam se sentir seguros. Ao contrário dos grandes resorts, não precisamos colocar telas entre as espreguiçadeiras".

A Grécia atravessa uma crise financeira pela primeira vez, mas nas décadas de 1950 e 1960, e até 2008, sempre foi capaz de considerar o turismo de massa como um meio de revitalizar a economia.

A ironia da situação atual é que o turismo, uma vez que a solução, agora é o problema.

Em seu discurso em Santorini, o primeiro-ministro Mitsotakis disse que deseja que a Grécia seja segura, mas também sabe que com 20% dos cidadãos gregos trabalhando no turismo e com a indústria contribuindo com 30% da economia, ele precisa de ilhas como Santorini para um verão lucrativo até um próspero outono.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).