Em São Paulo, museu do Ipiranga cria observatório para público acompanhar obras


Ludmilla Souza, Agência Brasil
26 de junho de 2020 às 17:29
Obras Museu do Ipiranga

Localizado no Parque da Independência, desde 2013 o museu do Ipiranga está fechado para ampliação e modernização

Foto: Leonardo Gabriel Giantomasi /Museu do Ipiranga

Enquanto aguarda a inauguração do Novo Museu do Ipiranga, marcada para setembro de 2022, o público poderá acompanhar as obras de restauração e ampliação do Edifício Monumento pelo Observatório da Obra. Localizado no Parque da Independência, desde 2013 o museu está fechado para ampliação e modernização.

Previsto para começar a funcionar em outubro deste ano, o Observatório ficará no pavilhão de dois andares e 60m² instalado no local que oferece a vista privilegiada para o edifício do museu. Do mirante, o público terá uma visão de toda a frente do canteiro de obras, conseguindo ver, inclusive, as escavações para a ampliação e para a construção da nova entrada do Museu do Ipiranga. 

Esta foi a forma de oferecer ao público a oportunidade de acompanhar o dia a dia da obra com segurança, comentou a docente e curadora do Museu Paulista da Universidade de São Paulo (USP), coordenadora das atividades de cultura e extensão do Museu Paulista da USP, Solange Ferraz de Lima.

“Dar ao público que visita o Parque da Independência a oportunidade de conhecer um pouco da história desse magnífico edifício, o projeto arquitetônico para a sua ampliação, modernização e restauração e acompanhar a evolução das obras por meio de vídeos e fotografias. O Observatório será o espaço para palestras de especialistas em restauração e engenharia que estão atuando no projeto e ações de educação patrimonial envolvendo o projeto de arqueologia para o entorno do edifício, que integra o programa de obras”.

Leia também:

Museu do Louvre se prepara para reabrir sem aglomerações

Colírio para os olhos: Madri reabre seus museus

Com horário de funcionamento das 8h às 18h, todos os dias, o Observatório da Obra será um container de formato retangular que ocupará o mezanino do Parque da Independência, próximo à rua Xavier de Almeida. O primeiro andar será dedicado a exposições - painéis irão abordar os marcos da obra e do processo construtivo; uma TV irá exibir o episódio mais atual da série "Diário da Obra", mostrando ao visitante os avanços mais recentes e o momento em que a obra se encontra.

Em uma das extremidades, haverá um ambiente com monitor e banquetas para exibição de outros vídeos sobre o Museu. A extremidade oposta do container contará com um balcão expositivo para os objetos arqueológicos encontrados no processo de escavação, em sua maioria cacos de louças e objetos domésticos do século 20.

O segundo pavimento será o mirante voltado para o Edifício Monumento. O espaço prevê, ainda, uma área externa reservada para ações de cunho educativo como palestras e debates, com condições de receber mesas e cadeiras quando necessário. Todo o espaço do pavilhão, assim como todo conteúdo nele exposto, será completamente acessível.

As ações de acessibilidade incluem o uso de libras, legendas em braile e dispositivos de audiodescrição para tudo o que for exposto. A proposta adianta uma política do Novo Museu do Ipiranga, que também pretende ter mecanismos de acessibilidade para as diferentes necessidades especiais dos usuários. A abertura do Observatório da Obra seguirá as mesmas recomendações de segurança, em relação ao controle da disseminação da Covid-19, que forem adotadas pela USP.

Museu do Ipiranga

Fechado para reforma desde 2013, o Museu do Ipiranga da USP segue em atividade com eventos, cursos, palestras e oficinas em diversos espaços da cidade. As obras de restauro, ampliação e modernização do Museu são financiadas via Lei de Incentivo à Cultura. A gestão do Projeto Museu do Ipiranga 2022 é feita de forma compartilhada pelo Comitê Gestor Museu do Ipiranga 2022, pela direção do Museu do Ipiranga e pela Fundação de Apoio à USP (FUSP). As obras foram iniciadas em outubro do ano passado, e a expectativa é que seja reaberto em setembro de 2022, para a celebração do bicentenário da Independência do Brasil. Mais informações sobre o restauro estão disponíveis no site.

O edifício, tombado pelo patrimônio histórico municipal, estadual e federal, foi construído entre 1885 e 1890 e está situado dentro do complexo do Parque Independência. Concebido originalmente como um monumento à Independência, tornou-se em 1895 a sede do Museu do Estado, criado dois anos antes, sendo o museu público mais antigo de São Paulo e um dos mais antigos do país. Está, desde 1963, sob a administração da USP, atendendo às funções de ensino, pesquisa e extensão, pilares de atuação da Universidade.