Veneza restringe a lotação nas gôndolas, alegando que turistas engordaram


Barbie Latza Nadeau e Rob Picheta, da CNN
22 de julho de 2020 às 17:53
Gôndola cruza o Grande Canal de Veneza

Gôndola cruza o Grande Canal de Veneza

Foto: Marco Sabadin - 11.mar.2020/AFP/Getty Images

A pandemia de coronavírus colocou um fardo pesado sobre o vasto setor de turismo em Veneza. Mas, ao sair aos poucos do lockdown, a cidade está tentando aliviar outro peso sobre os ombros de seus gondoleiros.

Uma nova restrição permitirá reduzir a capacidade máxima nas famosas gôndolas da cidade de seis para cinco pessoas.

E não é o distanciamento social que motivou a mudança – e sim o peso médio dos turistas, que vem aumentando nos últimos anos.

“Os turistas ficaram mais pesados – e, em vez de fazê-los subir em uma balança antes de pisar na gôndola, estamos limitando o número de passageiros”, confirmou Andrea Balbi, presidente da Associação de Gôndolas de Veneza, à CNN.

A mudança se aplica aos barcos a remo típicos de Veneza, que passeiam pelos canais mais estreitos da cidade. A ocupação máxima nas gôndolas maiores, chamadas “da parada”, que servem principalmente de táxi no Grande Canal, também foi reduzida de 14 para 12 pessoas.

Leia também:

Meses após enchentes, Veneza testa nova barreira contra inundação

Festival de Cinema de Veneza é confirmado para setembro

Balbi disse que cargas mais pesadas geralmente baixam o barco e permitem que a água entre, tornando a navegação mais difícil para os gondoleiros.

Raoul Roveratto, presidente da associação de gondoleiros substitutos (grupo que representa os gondoleiros menos experientes), não mediu suas palavras num artigo ao jornal La Repubblica. “Com algumas nacionalidades, é como carregar bombas. Quando o barco está totalmente carregado, o casco afunda e a água entra. Prosseguir com mais de meia tonelada a bordo é perigoso”, completou.

Atualmente, Veneza tem 433 gondoleiros licenciados e 180 substitutos, mas recentemente reduziu o número de gôndolas em serviço devido à pandemia e ao declínio acentuado dos turistas. O lockdown causado pela pandemia na Itália foi tão dramático que a água do canal da cidade ficou visivelmente mais clara, devido à enorme redução no tráfego marítimo.

Mas o país está voltando timidamente à normalidade, e Veneza se mexe para receber os visitantes de volta. No início de julho, a União Europeia concordou com um conjunto de recomendações que permitirá que viajantes de fora do bloco visitem os países europeus novamente.

Os gondoleiros de Veneza passam por um exame rigoroso para obter uma licença ou herdar uma passada de pai para filho.

Eles não são o primeiro grupo de trabalhadores do turismo a fazer alterações com base no peso de seus clientes. Em 2018, a Grécia proibiu turistas pesados de montarem burros na popular ilha de Santorini, depois que ativistas reclamaram que os animais estavam sofrendo lesões na coluna vertebral.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)