Fernando de Noronha anuncia abertura total a turistas a partir de outubro


Gabriel Passeri*, da CNN, em São Paulo
23 de setembro de 2020 às 23:08 | Atualizado 10 de outubro de 2020 às 17:43

Fernando de Noronha está autorizada a receber turistas a partir de 10 de outubro, anunciou Guilherme Rocha, administrador da ilha, em coletiva do governo estadual de Pernambuco nesta quarta-feira (23). Desde 1º de setembro, apenas pessoas que já tiveram a Covid-19 e se recuperaram podem entrar na ilha.

Segundo o administrador, a nova etapa de abertura seguirá uma série de medidas, entre elas, a obrigatoriedade da realização do teste RT-PCR no dia anterior do embarque ou na data da viagem. 

“De forma gradual e com responsabilidade, vamos retomando as atividades econômicas da ilha, mas, principalmente, colocando a vida das pessoas em primeiro lugar”, disse Guilherme Rocha.

Leia também:

Fernando de Noronha reabre apenas para turistas que já tiveram Covid-19

Vista a partir do Forte Nossa Senhora dos Remédios, em Fernando de Noronha

Vista a partir do Forte Nossa Senhora dos Remédios, em Fernando de Noronha

Foto: Instagram/ Binabinapic/ Reprodução


O aplicativo Dycovid – Dynamic Contact Tracing deverá ser baixado pelo turista durante sua estada. A plataforma notifica o usuário em caso de um contato de alto risco de contaminação, de forma que a transmissão do vírus seja controlada. Quando algum usuário sinaliza que está contaminado, todos que tiveram contato são alertados.
 
Os turistas também deverão assinar um termo de compromisso concordando com o cumprimento do protocolo sanitário e das orientações da Vigilância Sanitária. O termo vale também para trabalhadores e prestadores de serviço. 

No desembarque em Noronha será feita a medição de temperatura e não será permitida a entrada de pessoas com sintomas de febre. O uso de máscara em locais públicos é obrigatório, sob pena de multa em caso de descumprimento.

Quando o visitante deixar a ilha será necessária a realização de um novo RT-PCR para que haja um controle de uma possível contaminação comunitária. 

(Sob supervisão de Evelyne Lorenzetti).