Com pandemia, brasileiros viajam para destinos mais próximos, diz pesquisa


Gustavo Lago, da CNN, em São Paulo 
24 de setembro de 2020 às 10:53 | Atualizado 24 de setembro de 2020 às 15:23

Uma pesquisa feita pelo booking.com, um dos maiores sites de reservas de estadias, entre os meses de junho e agosto deste ano, indica uma mudança no perfil de viagens de lazer dos brasileiros durante a pandemia. Com a redução da malha aérea, a distância média entre destinos de viagem e a residência do turista caiu 63% na comparação com o mesmo período do ano passado. 

Se em 2019, a distância média percorrida pelos brasileiros de casa ao destino das férias era de 1.557 km, neste ano foi de 569 km por reserva.O levantamento foi feito com base na distância entre a localização estimada de quem fez a reserva (IP do usuário) e o destino da reserva como uma linha reta.

Leia mais:
Disney 2021: Veja como se organizar para conseguir ver o Mickey no pós-pandemia
Instituto Inhotim anuncia reabertura para 7 de novembro

Com isso, destinos mais tranquilos estão em alta. Exemplos disso são cidades do interior do estado de São Paulo, como Socorro, Santo Antônio do Pinhal, São Bento do Sapucaí, Atibaia e Campos do Jordão,  que tiveram um “boom” nas pesquisas e estão entre os locais com maior crescimento de buscas na plataformas.

Já o ranking das reservas, de fato efetuadas, ficou com as cidades de São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Gramado (RS), Curitiba (PR) e Brasília (DF).

Acomodações

Além dos novos destinos e menores distâncias, os brasileiros escolheram acomodações especiais para curtir o inverno. Entre junho e agosto, maioria das reservas foi feita para chalés e vilas. Um cenário bem diferente do que ocorreu no ano passado, quando a maioria preferiu ficar em hotel tradicional (60%); seguido de pousadas (40%); resorts (29%); casas (29%) e apartamentos (22%).

“Nessa retomada do turismo, o viajante brasileiro tem novas opções de lugares para conhecer que até então não passava pela cabeça dele. E, por serem destinos pouco conhecidos, além de estimular a economia local, são locais mais propícios para seguir o protocolo de distanciamento social”, afirmou Luiz Cegato, gerente de comunicação da Booking.com para a América Latina