Novo estudo reafirma risco baixo de se pegar Covid-19 em avião (usando máscara)

Análise da Defesa dos EUA mostra que ventilação de voos comerciais filtra ar de forma eficiente. Ainda assim, sem cuidados básicos passageiros seguem em risco

Por Maggie Fox, da CNN
17 de outubro de 2020 às 02:36 | Atualizado 17 de outubro de 2020 às 02:38
Avião decola do Aeroporto Internacional de Dubai, nos Emirados Árabes
Avião decola do Aeroporto Internacional de Dubai, nos Emirados Árabes
Foto: Christopher Pike - 15.fev.2019 / Reuters

Um novo estudo divulgado na quinta-feira (15) sugere que as pessoas não precisam se preocupar com a circulação do novo coronavírus no ar em aviões.

O estudo do Departamento de Defesa dos Estados Unidos corrobora o que se concluiu em pesquisas anteriores, mostrando que os sistemas de ventilação das aeronaves filtram o ar de maneira eficiente e removem partículas que podem transmitir vírus.

O estudo, divulgado ainda sem revisão por pares, não levou em consideração outras maneiras pelas quais as pessoas podem pegar o vírus em aeronaves - incluindo outras pessoas tossindo ou respirando diretamente sobre elas, em superfícies ou em espaços confinados, como banheiros.

Leia também:
Chances de pegar Covid-19 em avião são menores do que se pensa, dizem cientistas

'Oportunidade única': Como foi o voo de sete horas para lugar nenhum

 

O Comando de Transporte dos EUA, a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA) e o Comando de Mobilidade Aérea usaram aeronaves Boeing 777-200 e 767-300 carregados com sensores destinados a duplicar o efeito de um voo de passageiros totalmente cheio.

Um manequim usando uma máscara cirúrgica simulou um passageiro com tosse infectado com um vírus respiratório.

A equipe usou rastreadores de aerossol fluorescentes para ver para onde as partículas emitidas pelo "passageiro" com tosse foram. Eles foram sugados rapidamente para o sistema de ventilação, concluiu a equipe, e dificilmente contaminariam as superfícies próximas ou explodiriam nas zonas de respiração das pessoas sentadas ao redor.

"Os testes presumem que, se o uso da máscara for contínuo, o número de pessoas infectadas é baixo", escreveu a equipe de pesquisa. “A contaminação de superfícies por vias não aerossóis (gotas grandes ou contaminação fecal) é mais provável em banheiros e outras áreas comuns e isso não foi testada aqui”, acrescentaram.

"Essas rotas alternativas de exposição são mais desafiadoras de prever por causa da incerteza no comportamento humano."

Outros relatórios descobriram que pessoas infectadas com o novo coronavírus em voos talvez tenham contraído o vírus quando tiraram as máscaras para usar os banheiros.

"Os testes não incluíram movimentos substanciais em todo o avião ou no aeroporto, saguão ou ponte, onde as taxas de troca de ar e as interações humanas variam", acrescentaram os pesquisadores.

"Da mesma forma, o manequim permaneceu voltado para a frente, a incerteza no comportamento humano com as conversas e o comportamento pode mudar o risco e a direcionalidade nos assentos mais próximos de uma pessoa, especialmente para gotas grandes."

Muito a aprender




Muito ainda se desconhece sobre a transmissão da Covid-19 a bordo de aviões. Dois estudos anteriores documentaram casos reais de suspeita de transmissão a bordo de voos.

Ambos os estudos envolveram casos relacionados a voos longos no início da pandemia, antes que as companhias aéreas começassem a exigir máscaras faciais.

Outro estudo documentando um caso de suspeita de transmissão de coronavírus a bordo de um vôo envolveu uma mulher que usou uma máscara N95 durante o voo, exceto quando ela usou o banheiro.
Um passageiro sentado a três fileiras de distância que desenvolveu o novo coronavírus, mas nunca apresentou sintomas, também usou o banheiro.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) observam que "a maioria dos vírus e outros germes não se espalham facilmente em voos por causa de como o ar circula e é filtrado nos aviões", acrescentando que a falta de distanciamento social em voos lotados que podem exigir que os passageiros se sentem a seis pés de outras pessoas por longos períodos "pode ??aumentar o risco de contrair Covid-19."