Corpos de vítimas de erupção são encontrados em Pompeia


Reuters
22 de novembro de 2020 às 18:54 | Atualizado 22 de novembro de 2020 às 19:07

 

Arqueólogos descobriram restos excepcionalmente bem-preservados de dois homens mortos pela erupção vulcânica que destruiu a antiga cidade romana de Pompeia no ano 79, anunciou o ministério da Cultura da Itália neste sábado (21). 

Um deles era provavelmente um homem de alto status, com idade entre 30 e 40 anos, que ainda tinha traços de uma capa de lã sob seu pescoço. O segundo, provavelmente com idade de 18 a 23 anos, estava vestido com uma túnica e tinha vértebras quebradas que indicam que ele era um escravo que fazia trabalho pesado. 

Os corpos foram encontrados em Civita Giuliana, a 700 metros a noroeste do centro da antiga Pompeia, numa câmara subterrânea dentro de uma grande propriedade que está sendo escavada. 

Leia também:

Veneza vai cobrar taxa de entrada para turistas

Santo Stefano, a idílica vila italiana que paga para quem se mudar para lá

Os dentes e ossos dos homens foram preservados, e os vazios deixados pelos tecidos macios foram preenchidos por gesso, que endureceu e então, foi escavado para mostrar o contorno dos corpos. 

Corpos de vítimas encontrados em Pompeia
Corpos de vítimas encontrados em Pompeia
Foto: Reuters


"Essas duas vítimas estavam, talvez, buscando refúgio quando foram varridos pela onda piroclástica [gases, cinza e pedra em alta velocidade, resultantes de erupção] por volta das nove da manhã, quando a coluna de erupção chegou a Pompeia, destruindo completamente a parte mais alta da cidade e matando todos no caminho", disse o diretor do parque arqueológico de Pompeia, Massimo Osanna.

Pompeia, que ficava a 23 km a sudeste de Nápoles, era a casa de 13 mil pessoas quando foi enterrada por cinzas, pedregulhos e poeira ao enfrentar a força da erupção do Vesúvio que congelou a cidade no tempo. As ruínas não foram descobertas até o século 16 e escavações organizadas começaram por volta de 1750.