National Geographic revela melhores destinos para 2021


Maureen O'Hare, da CNN
22 de novembro de 2020 às 05:00
Katmai National Park, no Alasca
Katmai National Park, no Alasca
Foto: Katie Orlinsky/Nat Geo Image Collection


Muitas tradições de fim de ano estão um pouco diferentes em 2020.

As listas anuais de lugares para viajar reveladas pelos grandes aventureiros da National Geographic e do Lonely Planet não são exceção.

Diante de um mundo onde viajar é geralmente difícil, desaconselhável ou impossível, as listas de 2021 das editoras (ambas lançadas na terça-feira, 17 de novembro) adotaram uma abordagem mais reflexiva.

Embora a mensagem do Lonely Planet este ano seja sobre viagens como uma “força para o bem”, com escolhas temáticas em torno da diversidade, sustentabilidade e comunidade, a National Geographic escolheu Sustentabilidade, Família, Natureza, Aventura e Cultura como suas cinco categorias.

Em vez de um convite para jogar o sarongue na mala e correr para o aeroporto, as listas têm o objetivo de servir de inspiração para aventuras futuras, sejam elas quais forem.

A lista “Best of the World 2021” (“Melhor do Mundo 2021”) da National Geographic oferece até 25 opções para sua consideração, selecionadas por suas equipes editoriais internacionais e apresentadas em natgeo.com/bestoftheworld. O slogan que está usando neste ano é "Sonhe agora, vá mais tarde".

Aqui, o leitor encontra histórias que descrevem “sucessos de conservação, conquistas de preservação, resiliência cultural e histórias de comunidades superando obstáculos assustadores para prosperar apesar da pandemia”, escreveu a National Geographic em um comunicado.

A categoria Sustentabilidade comemora seis destinos superlativos na Europa, África e Estados Unidos.

Há Alonissos, na Grécia, com seu novo museu subaquático onde os visitantes podem explorar os restos de um naufrágio de 2,5 mil anos, e Nova Caledônia, na França, com seus 1,3 milhão de quilômetros quadrados de parque marinho.

A Costa Espacial da Flórida é homenageada na seção Família, bem como no Caminho Costeiro da Inglaterra, quase concluído, que, com 4,5 mil quilômetros, será a mais longa trilha para caminhada à beira-mar do mundo.

Na categoria Aventura, há Svaneti da Geórgia (uma parada na épica Trilha de Caminhada da Transcaucásia entre a Geórgia e a Armênia) e o Parque Nacional de Katmai no Alasca.

No estado do Michigan, nos EUA, a Isle Royale, no canto noroeste do Lago Superior, é homenageado na categoria Natureza/Vida Selvagem. Também há espaço para Yellowknife, no Canadá, e na Ilha Lord Howe da Austrália.

A Ásia e Oceania estão sub-representadas na lista geral, mas recuperam algum terreno na categoria de Cultura/ História, com três destinos selecionados.

As opções incluem Guam, território norte-americano no Oceano Pacífico, que desempenhou um papel estratégico na Segunda Guerra Mundial, e Gyeongju, uma antiga capital da Coreia do Sul repleta de artefatos que é conhecida como “o museu sem paredes”.

“Embora a pandemia tenha paralisado as viagens, ela não acalmou nossa curiosidade", disse George Stone, editor-executivo da National Geographic Travel, em um comunicado. "O mundo está cheio de maravilhas - mesmo quando são difíceis de alcançar."

Melhor do Mundo de 2021 da National Geographic

Sustentabilidade

Alonissos, Grécia

Copenhague, Dinamarca

Nova Caledônia, França

Freiburg, Alemanha

Gabão, África Central

Denver, Colorado

 

Família

Caminho Costeiro da Inglaterra

Transilvânia, Romênia

Costa Espacial, Flórida

Hortobagy, Hungria

Columbia Britânica Indígena, Canadá

 

Aventura

Dominica

Svaneti, Geórgia

Parque Nacional Los Glaciares, Argentina

Parque e Reserva Nacional de Katmai, Alasca

Cerrado brasileiro
Cerrado brasileiro aparece na lista da NatGeo
Foto: Divulgação/Ministério do Meio Ambiente


 

Natureza/Vida Selvagem

Isle Royale, Michigan

Yellowknife, Canadá

Cerrado, Brasil

Ilha Lord Howe, Austrália

 

Cultura/História

Guam

Novo México, viagem de carro

Bitoria-Gasteiz, Álava, País Basco, Espanha

Gyeongju, Coreia do Sul

Tulsa, Oklahoma

Tonglu, província de Zhejiang, China

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).