China aconselha comissários de bordo a usar fralda para evitar Covid-19

A Administração de Aviação Civil da China publicou guia de cuidados a se tomar para evitar contaminação pelo novo coronavírus em voos

Por Lilit Marcus, da CNN
11 de dezembro de 2020 às 03:56 | Atualizado 12 de dezembro de 2020 às 11:40

 


À medida que a pandemia do novo coronavírus avança, as autoridades de transporte em todo o mundo procuram maneiras de manter os passageiros e a tripulação seguros a bordo dos aviões.

Em 25 de novembro, a Administração de Aviação Civil da China (CAAC) divulgou novas diretrizes para o setor de aviação do país. O documento, intitulado "Diretrizes Técnicas para Prevenção e Controle de Epidemias em Companhias Aéreas, Sexta Edição", contém orientações sobre as melhores práticas de higiene a serem realizadas em aeronaves e aeroportos.

Leia também:
Chances de pegar Covid-19 em avião são menores que se pensa, dizem cientistas 
Santo Stefano, a idílica vila italiana que paga para quem se mudar para lá

Entidade chinesa recomendou uso de fraldas como medida protetiva contra o novo coronavírus
Foto: alusruvi/ Pixabay


Mas uma dessas sugestões chamou atenção: a que pede que funcionários como os comissários de bordo usem fraldas descartáveis para que não precisem usar o banheiro.

Um dos itens do guia aconselha que, especialmente em viagens que passem por países com alta incidência de Covid-19, a tripulação de cabine use "máscaras médicas, luvas médicas descartáveis de dupla camada, óculos de proteção, chapéus descartáveis, roupas de proteção descartáveis e protetores de calçados descartáveis".

Destaques do CNN Brasil Business:
Homem mais rico do Brasil, o banqueiro Joseph Safra morre aos 82 anos
Com Selic em 2%, quanto rende investir R$ 1 mil em poupança, fundos ou títulos?

A próxima frase diz: "Recomenda-se que os tripulantes de cabine usem fraldas descartáveis e evitem usar os banheiros, exceto em circunstâncias especiais para evitar riscos de infecção."

Embora esse conselho possa parecer exagerado, não é segredo que os banheiros podem ser os lugares mais germinativos de um avião. Em agosto, uma mulher que viajava da Itália para a Coreia do Sul contraiu o novo coronavírus durante sua viagem, e uma ida ao banheiro - o único lugar onde ela tirou sua máscara N95 durante todo o voo - foi apontada como a possível fonte de sua infecção.

O formato de banheiros de aviões já era um tema que gerava debates antes da Covid-19, mas a pandemia concentrou esforços para encontrar novas soluções.

A companhia aérea japonesa ANA anunciou no início deste ano que estava testando um protótipo de uma nova porta de banheiro com as mãos livres.

Enquanto isso, a Boeing solicitou com sucesso uma patente para um "banheiro autolimpante" que usaria luz ultravioleta para limpar 99,9% dos germes após cada uso.

(Hannah Zhang também colaborou para esta reportagem)