Nova Zelândia pede que turistas parem de copiar fotos de outras pessoas

País lançou uma nova campanha de turismo pedindo aos viajantes que parem de imitar as fotos que veem online e que “compartilhem algo novo”

Rob Picheta, da CNN
29 de janeiro de 2021 às 19:02
Campanha do governo da Nova Zelândia brinca com fotos de turistas
Foto: YouTube/Reprodução

A Nova Zelândia está realmente entediada com as suas postagens no Instagram. O país lançou uma nova campanha de turismo pedindo aos viajantes que parem de imitar as fotos que veem online e que “compartilhem algo novo”.

O chamado foi feito em um vídeo de dois minutos, estrelado pelo comediante Tom Sainsbury como membro do “Esquadrão de Observação Social (SOS)”. O oficial acompanha os turistas em algumas das paisagens e pontos mais famosos do país e os encoraja a pararem de viajar “sob a influência social”. 

“Eu fui alertado para uma situação que está acontecendo muito ultimamente”, diz ele no início da campanha. “As pessoas têm visto essas fotos nas redes sociais e fazem de tudo para copiá-las”. 

“Você os conhece”, acrescenta ele, recitando uma lista de postagens clichês de mídias sociais. “Clique de costas na banheira de hidromassagem. Homem se senta tranquilamente em uma rocha, contemplando. Pernas de cachorro-quente”. 

Confira o vídeo da campanha:

O vídeo faz parte da campanha “Faça Algo Novo”, do conselho de turismo da Nova Zelândia. As partes anteriores da iniciativa incluíam uma canção das celebridades locais, Madeleine Sami e Jackie van Beek. 

A campanha chega em um momento estranho para os turistas, com a maioria dos viajantes internacionais impedidos de entrar no país. 

A primeira-ministra, Jacinda Ardern, disse na terça-feira (26) que as fronteiras da Nova Zelândia permanecerão fechadas na maior parte deste ano, enquanto a pandemia de Covid-19 se intensifica, mas o país buscará providenciar viagens com a vizinha Austrália e outras nações do Pacífico. 

“Dados os riscos no mundo ao nosso redor e a incerteza do lançamento global da vacina, podemos esperar que nossas fronteiras sejam impactadas durante grande parte deste ano”, disse Ardern em uma coletiva de imprensa. 

Para que as viagens recomeçassem, as autoridades precisariam ter confiança de que os vacinados não transmitiriam Covid-19 para outras pessoas, o que ainda não é sabido, ou que uma quantidade suficiente seja vacinada para que as pessoas pudessem entrar novamente com segurança na Nova Zelândia. Uma bolha de viagens com a Austrália está em vigor desde outubro.