Por que esta cidade espanhola se destaca de outros pontos turísticos do Mediterrâneo

Marbella tem clima ameno o ano todo, fica próxima à África, disponibilizando aos turistas outros valores, culturas, sabores com preços que agradam a todos os bolsos

A praia de Fontanilla em Marbella é banhada pela luz do sol na Costa del Sol da Espanha
A praia de Fontanilla em Marbella é banhada pela luz do sol na Costa del Sol da Espanha Ken Welsh/Alamy Stock Photo

Hannah Seligsonda CNN

Embora possa não haver partes verdadeiramente não descobertas do Mediterrâneo, ainda existem lugares que ainda não chegaram ao radar dos turistas americanos do século 21. Um desses destinos é Marbella – que já atraiu a realeza de Hollywood, como Brigitte Bardot, Grace Kelly e Cary Grant – na região da Andaluzia, no sul da Espanha.

Nos últimos anos, Marbella tornou-se um local de férias popular para os europeus, especialmente os britânicos, que desfrutam de fácil acesso à Costa del Sol a partir de Londres. Em junho, a United Airlines lançou uma rota sazonal sem escalas para Málaga, o aeroporto mais próximo de Marbella, colocando o local na liga dos destinos turísticos famosos, como a Riviera Francesa e a Costa Amalfitana, que têm voos diretos dos Estados Unidos.

Marbella ainda tem uma hashtag popular nas mídias sociais, “Marbs”, que se tornou uma abreviação para transmitir um certo estilo de vida sofisticado (#marbslife). Ainda assim, é um lugar que não pode ser confundido tão facilmente com outras cidades litorâneas europeias sofisticadas.

Em primeiro lugar, a cultura de Marbella é influenciada tanto por sua proximidade com o norte da África (é possível visitar a cidade portuária marroquina de Tânger em uma viagem de um dia) quanto por estar na Europa, dando a esta fatia do sul da Espanha uma certa diversidade e singularidade que implora o pergunta: Marbella é o último grande lugar no Mediterrâneo?

Sol, cultura e valor, tudo em um só lugar

Vamos começar com o clima. Marbella é protegida pela cordilheira de Sierra Blanca, produzindo um microclima que torna o calor ibérico menos opressivo no verão e um dos destinos mais ensolarados da Europa durante o inverno.

Há muita festa para ser feita, mas a cultura também é facilmente acessível. A leste, Málaga abriga ruínas romanas e um Museu Picasso de classe mundial. A Alhambra, muitas vezes considerada a oitava maravilha do mundo e um dos palácios mais bem preservados do mundo islâmico histórico, fica a duas horas de carro de Marbella, em Granada.

O que diferencia Marbella de, digamos, Capri na Itália ou Mykonos na Grécia é que seu bairro da Cidade Velha parece um lugar real que não foi construído apenas em torno dos caprichos e preços daquele 1% da população. Sim, há muitas lojas de luxo – Chanel, Louis Vuitton e Gucci, para citar algumas – mas também há uma vibração e sensibilidade discretas de cidade litorânea.

A colorida Cidade Velha de Marbella tem uma vibração discreta / Manfred Gottschalk/Alamy Stock Photo

Talvez o mais impressionante seja que ainda há um bom valor a ser encontrado. Uma noite fora não precisa nos levar a falência.

Por exemplo, o conceituado restaurante Gaspar, um favorito entre os locais, é um lugar onde três pessoas podem pedir vários pratos de frutos do mar frescos e beber uma garrafa de vinho espanhol de alta qualidade por cerca de 80 euros no total, aproximadamente R4 430. Por outro lado, há o The Grill, no Marbella Club, que serve alta gastronomia e entradas que custam tanto quanto uma refeição inteira no Gaspar.

Fora da área nobre de Puerto Banús, onde estão localizadas muitas das marcas de luxo, há um pequeno parque de diversões sem frescuras, uma confeitaria com barris de gomas e vários restaurantes de rede. Isso tudo para dizer que a bolha do luxo pode ser facilmente escapada.

Uma variedade de hospedagens

Mesmo no topo das ofertas de hospitalidade, no lendário Marbella Club, construído no terreno da villa original do príncipe Alfonso von Hohenlohe, os preços não são tão altos quanto algumas propriedades comparáveis em outros pontos turísticos do Mediterrâneo.

Durante algumas semanas de julho e agosto, os quartos podem custar entre 1.400 e 1.600 euros por noite. Essas tarifas logo cairão centenas de dólares por muitas noites em setembro, quando o clima ainda é espetacular.

O porto caiado de Puerto Banús fica a oeste de Marbella / Deejpilot/iStockphoto/Getty Images

Em Puente Romano, um complexo hoteleiro com 20 restaurantes, cinco academias, cinco piscinas, um hotel Nobu e uma praia projetada pela Fendi, uma suíte para três pessoas custa 1.850 euros durante a alta temporada.

Para colocar isso em perspectiva, hotéis de luxo comparáveis em Positano, na Costa Amalfitana da Itália, podem custar 3 mil euros por noite. No familiar Kalesma, na ilha grega de Mykonos, uma suíte com vista para o mar começa em cerca de 2 mil euros em agosto.

Mas o que também é atraente em Marbella é que hotéis boutique charmosos, como o Hotel Claude Marbella, custam a partir de 350 euros em agosto. O hotel, totalmente remodelado em 2020, dispõe de terraço privado, varanda térrea e biblioteca.

Essa rara mistura de beleza, luxo e valor não passa despercebida. No ano passado, Marbella foi listada entre os Melhores Destinos Europeus, escolhidos por centenas de milhares de votos do público.

“Marbella é o principal destino internacional durante todo o ano no Mediterrâneo, além de ter todas as principais marcas de varejo e restaurantes que você encontraria em Londres, Paris e Milão, mas também tem o melhor clima da Europa”, disse Daniel Shamoon, dono das propriedades Marbella Club e Puente Romano e um magnata imobiliário com sede em Londres.

Vá para lá enquanto você pode

Marbella pode não ser St. Tropez (França) ou Portofino (Itália) – ainda. Mas isso não é uma coisa ruim em uma era de excesso de iates na costa do Mediterrâneo que deixou inviável para muitos viajantes ou simplesmente afastou muitos que acham que os preços inflacionados são ofensivos.

As pessoas passeiam ao pôr do sol ao longo da Playa de la Fontanilla em Marbella / Mediterranean/iStock Unreleased/Getty Images

No entanto, Marbella pode não ficar assim para sempre. “Nosso objetivo é transformar no principal destino da Espanha para competir com a Riviera Francesa e a Costa Amalfitana”, disse Christina Borges, diretora de marketing da Puente Romano.

Uma pessoa local revelou que já se fala em uma “próxima Marbella” porque há pouco espaço para construir. As apostas, disse ele, estão na cidade vizinha de Estepona.

Ainda não se sabe se Marbella vai chegar lá, mas certas facetas do destino parecem imutáveis e distintas. Marbella sempre estará tão perto da África quanto você estará na Europa, oferecendo uma mistura das culturas marroquina e espanhola que aparece na culinária, arquitetura mourisca, ritmo descontraído e clima quente.

Em um dia claro, você sempre poderá ver outro país (Marrocos) enquanto nada nas águas cristalinas do Mediterrâneo com as montanhas de Sierra Blanca ao fundo. As orcas ainda se reunirão em torno do Estreito de Gibraltar esperando pela migração do atum, tornando a Costa del Sol um ecossistema especial para observar a vida selvagem.

Punta de Tarifa, o ponto mais ao sul da Europa continental e a cerca de uma hora e 20 minutos de Marbella, é um dos melhores pontos de kitesurf do mundo. E uma cidade movimentada em outro continente – neste caso, Tânger, no Marrocos – sempre estará a apenas 113 quilômetros de distância em linha reta.

Com a temporada de verão de Marbella em pleno andamento, Borges diz que alguns dos maiores restaurantes de Puente Romano, como Nobu e Cipriani, ficam lotados todas as noites da semana.

“Eles estão fazendo centenas de pratos todos os dias”, disse ela. “Não tenho ideia de onde essas pessoas vêm, mas elas estão aqui”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original