Sorvetes pelo mundo: de creme, gelo e até neve, descubra como é a delícia em outros países

História da culinária diz que o sorvete remonta ao século 2 aC, quando Alexandre, o Grande, da Grécia, misturava neve com mel e néctar

Shivani Vorada CNN

Existe alguém no mundo que não ame sorvete? Não é preciso estar muito calor para sucumbir a essa delícia.

Seja na Ásia, na Europa, nos Estados Unidos ou na América do Sul, é seguro dizer que a guloseima gelada tende a ser uma indulgência favorita para qualquer pessoa de qualquer idade, embora seja difícil não imaginar uma criança segurando uma casquinha em um dia quente com o sorvete derretido escorrendo pelo braço.

São Francisco e Nova York abrigam até o imensamente popular Museu do Sorvete, uma extensa homenagem à iguaria doce e gelada.

De acordo com a história da culinária, o sorvete remonta ao século 2 aC. Alexandre, o Grande, da Grécia, gostava de neve e gelo aromatizado com mel e néctar. E o imperador Nero, de Roma, gostava de neve aromatizada com frutas e sucos.

 

 

Mais de mil anos depois, Marco Polo trouxe uma receita semelhante a um sorvete do Extremo Oriente para a Itália, que acabou evoluindo para o sorvete como a maioria de nós o conhece hoje.

O sorvete pode ser universalmente atraente, mas muitos países têm sua própria versão, de acordo com Jeni Britton Bauer, fundadora da marca de sorvetes Jeni’s Splendid Ice Creams e autora de dois livros sobre o assunto.

“Cada cultura tem uma interpretação diferente do sorvete que muitas vezes não é chamado de sorvete, e é um alimento que une as pessoas”, diz ela. “Você se reúne na sorveteria local ou envolta de um carrinho de sorvete na rua.”

Tomar sorvete é uma experiência divertida e física, acrescenta Britton Bauer. “A primeira mordida choca e acorda você com seu frio, e você precisa cuidar constantemente do seu sorvete para que ele não derreta”, diz ela.

De creme congelado nos Estados Unidos ao Kulfi na Índia, saboreie sorvetes ao redor do mundo e desperte sua criança interior:

Frozen Cream, Estados Unidos

O frozen cream é o sorvete americano por excelência, de acordo com Bruce Weinstein, autor de “The Ultimate Ice Cream Book”, uma coleção abrangente de 500 receitas diferentes.

Diferente do iogurte congelado, que é feito com iogurte fermentado e açúcar, o creme congelado é uma combinação de leite, creme, açúcar e gema de ovo. Também costuma ter um espessante, diz Weinstein.

O sorvete americano tradicional às vezes também tem gema de ovo, mas a diferença entre o creme congelado e o sorvete é a textura: o creme é denso porque é feito em uma máquina que não incorpora ar aos ingredientes.

As máquinas de sorvete, por outro lado, injetam ar na receita, tornando o resultado final mais arejado e leve que o creme.

Quando se trata de sabores de creme congelado, os americanos normalmente podem escolher entre baunilha ou chocolate. Eles também podem fazer uma combinação dos dois.

“Você enrola seu creme em confeitos ou mergulha-o em uma calda vermelha ou de chocolate que congela instantaneamente em uma casca dura”, diz Weinstein.

Raspado, México

Raspado é o tipo de sorvete no México / Alamy

Pense nos raspados como a versão mexicana dos cones de neve americanos. Mas enquanto os cones de neve são feitos com xarope excessivamente doce, os raspados têm frutas reais ou sucos de frutas frescas. Na verdade, fazê-los é uma espécie de artesanato.

O doce e frio é onipresente em todo o México e vendido em carrinhos de rua, diz Lillian Aviles, especialista em cultura mexicana da Cidade do México.

“Esses carrinhos vendem uma variedade de sabores à base de frutas, como tamarindo, limão, abacaxi, laranja e manga”, diz ela. “Também existem sabores não frutados disponíveis, como baunilha e rompope, que é semelhante à gemada.”

Em muitos mercados mexicanos, diz Aviles, os vendedores fazem uma mistura de raspado e milk-shake chamado “esquimó” usando leite, leite condensado, frutas frescas da estação, açúcar, baunilha e raspas de gelo.

E diferentes partes do México produzem variedades de raspados. Por exemplo, na cidade litorânea de La Paz, a sorveteria La Fuente, localizada na esplanada da orla, vende raspados com uma porção de sorvete por cima, geralmente no sabor característico de iogurte de laranja.

“Você não encontrará mexicanos comendo seus raspados em cones”, diz Aviles, que afirma que são servidos apenas em xícaras.

Gelato, Itália

Gelato é um símbolo de culinária na Itália / Alamy

Massa à parte, o gelato é considerado o símbolo culinário da Itália. Na verdade, visitar a gelateria local é um estilo de vida para os italianos.

“Os italianos se reúnem em gelaterias e se socializam”, diz Britton Bauer. “Eles são pontos de encontro populares e ícones culturais.”

O gelato italiano tem menos gordura do que o sorvete tradicional, diz Weinstein, e é feito com leite integral, ovos, açúcar e aromatizantes – chocolate, avelã, pistache e stracciatella ou sorvete de baunilha misturado com pedaços de chocolate são os sabores mais apreciados.

“Não podemos fazer gelato à moda italiana nos Estados Unidos”, diz Weinstein. “Nosso leite não tem gordura suficiente. Devemos adicionar creme”.

E esqueça a colher de sorvete padrão: na Itália, o gelato é servido com uma espátula que pressiona a guloseima em um copo ou cone.

“Italianos de norte a sul debatem ferozmente qual é a melhor gelateria da cidade”, diz Luca Finardi, gerente geral do Mandarin Oriental em Milão. “Cada um de nós tem aqueles que mais amamos”, diz ele.

O destino de Finardi em Milão é Massimo Del Gelato, perto de Chinatown. “A loja é especializada em sabores de chocolate, incluindo chocolate cereja e chocolate canela e é provavelmente a melhor da Itália”, diz ele. “O sorvete é feito na hora todos os dias”.

Creme Glace, França

O sorvete francês é mais rico que o italiano. Será? / Getty Imagens

Parece gelato e tem uma textura semelhante, mas o crème glace ou sorvete francês é mais rico que o italiano, diz Weinstein.

“Glace é um bom cruzamento entre o creme americano congelado e o gelato e quase sempre feito com creme e ovos”, diz ele. “O caramelo salgado é definitivamente o sabor mais icônico.”

De acordo com a história da culinária, o restaurante parisiense Le Procope, ainda em funcionamento,  que um imigrante italiano abriu no final do século 17, introduziu o sorvete na França. Embora este local lendário ainda sirva glaces, hoje é mais conhecido por seus pratos saborosos.

Hoje em dia, os franceses se deliciam com uma das sorveterias familiares espalhadas por todo o país, onde os proprietários fazem a sobremesa congelada com os mais puros laticínios e frutas, nozes e chocolate de primeira qualidade.

No entanto, existem algumas lojas de glace reconhecidas nacionalmente, diz Weinstein, incluindo o popular Berthillon em Paris (a gianduia ou glace de avelã é uma obrigação aqui).

Fenocchio Glacier, em Nice, é outro nome popular e serve sorvetes de sabores mais inusitados. As escolhas padrão incluem chocolate branco e café, mas a loja também oferece variedades como azeitona, goma de mascar e baunilha com pimenta rosa.

Dondurma, Turquia

Dondurma é feito de leite de cabra, açúcar e salap, que é a polpa de uma orquídea roxa. Dondurma é feito de leite de cabra, açúcar e salap, que é a polpa de uma orquídea roxa / Shutterstock

Um sorvete que não derrete? Sim, é exatamente isso que é dondurma ou sorvete turco. Os locais também a chamam de Maras dondurma, em homenagem à cidade na região mediterrânea da Turquia.

Karen Fedorko Sefer, fundadora da agência de viagens Sea Song Tours e residente em Istambul, diz que a dondurma tem uma textura elástica e é feita com leite de cabra, açúcar e salap, que é a polpa de uma orquídea roxa. Também costuma ter mástique ou uma resina com sabor de pinho que é extraída de uma árvore de resina.

“Comprar dondurma é como assistir a uma apresentação”, diz Fedorko Sefer. “Os homens que o vendem vestem um traje tradicional turco [aba] e um chapéu de sultão e estica, torce e vira o sorvete até que caia em uma casquinha. Crianças e adultos se divertem com o show.”

Os turcos compram sua dondurma em um carrinho de rua ou em um bazar. “Na verdade, não há lojas”, diz Fedorko Sefer.

Ali Usta, no bairro Moda de Istambul, está entre as exceções. Fundada em 1969, a loja oferece sabores como avelã, noz e melão. Mas esteja preparado para esperar em uma longa fila para provar, especialmente durante o verão.

Kakigori, Japão

Xarope cítrico misto é derramado sobre gelo raspado neste kakigori japonês / Getty Images

Pode ser feito de gelo, mas o kakigori, a versão japonesa do sorvete, definitivamente não é um cone de neve.

“O verdadeiro kakigori usa gelo super raspado e derrete na boca como um sorvete cremoso”, diz Sakura Yagi, COO do TIC Restaurant Group, uma coleção de restaurantes japoneses no East Village de Manhattan, incluindo o Cha An Tea House, que serve kakigori feito em casa.

Os confeiteiros fazem o kakigori raspando gelo de blocos de gelo até formar uma pilha fofa. Em seguida, adicionam xaropes ao gelo – geralmente feitos à mão com ingredientes de qualidade – em sabores como chá verde, morango, uva e melão.

Kakigori às vezes também tem leite condensado ou evaporado e quase sempre é servido em uma tigela. Yagi acrescenta que não é incomum encontrar lojas de doces em todo o Japão oferecendo coberturas como toque final, geralmente pasta de feijão vermelho ou frutas frescas.

“A beleza do kakigori está na simplicidade”, diz ela. “Os japoneses comem principalmente no verão e ficam entusiasmados em apreciá-lo, especialmente os sabores mais recentes da estação.”

Kulfi, Índia

Este masala chai kulfi é servido com migalhas de biscoito, calda de chocolate e algumas pétalas de rosas secas por cima. Este masala chai kulfi é servido com migalhas de biscoito, calda de chocolate e algumas pétalas de rosas secas por cima / Getty Images

Kulfi, o sorvete tradicional da Índia, remonta ao século 16 e pode ser uma das sobremesas congeladas mais ricas do mundo, diz Camellia Panjabi, conhecida escritora de culinária indiana.

Dado o seu ingrediente principal – leite evaporado adoçado – não é nenhuma surpresa o porquê.

“Ao fazer kulfi, você ferve o leite, que o carameliza, e o resultado final é um sorvete muito gostoso”, diz Panjabi. “Depois de fervido, você também pode adicionar sabores como fios de açafrão, pistache triturado ou amêndoa triturada.”

Embora o kulfi em sua essência não se desvie dessas iterações, as opções ficaram mais variadas nas últimas décadas, de acordo com Panjabi. Nas lojas de kulfi em toda a Índia e nas barracas de kulfi na praia de Chowpatty, em Mumbai, junto com restaurantes indianos em todo o mundo, não é incomum encontrar kulfis de laranja, banana, chocolate, manga e frutas da estação.

O kulfi também se destaca de outros sorvetes porque geralmente é pré-moldado em uma forma ou cone longo de picolé, congelado e depois servido.

Britton Bauer, que experimentou o kulfi nos Estados Unidos, o descreve como muito doce e “quase parecido com mel”.