Exposição imersiva de Monet desembarca em SP com produção totalmente nacional

Mostra no Parque Villa-Lobos faz visitantes "mergulharem" em 285 obras do artista impressionista francês com ajuda de projeções em 360º, efeitos visuais e trilha sonora original

Com ajuda da tecnologia, "Monet À Beira d'Água" promete mergulhar visitantes em 285 obras do artista francês
Com ajuda da tecnologia, "Monet À Beira d'Água" promete mergulhar visitantes em 285 obras do artista francês Divulgação

Saulo Tafarelodo Viagem & Gastronomia

São Paulo

Depois de Van Gogh e Portinari, é chegada a vez do artista impressionista francês Claude Monet ganhar uma exposição imersiva em São Paulo.

Após passagem no Rio de Janeiro entre março e junho, “Monet À Beira d’Água” desembarca em 21 de outubro no Parque Villa-Lobos em uma estrutura de 4 mil m² que promete “mergulhar” os visitantes nas obras do pintor.

Projetadas das paredes ao chão, as 285 reproduções licenciadas dos quadros de Monet se apresentam em sequências de animações digitais em 2D e 3D, formando diferentes narrativas audiovisuais.

A ideia é dar aos visitantes a sensação de estar dentro das obras do artista, e os movimentos das pinturas originalmente estáticas garantem o dinamismo da mostra.

“A proposta varia de espaço para espaço, mas ela sempre busca, de alguma forma, inserir as pessoas dentro dos quadros, contextualizando também a vida do artista e movimentos artísticos no processo”, diz Leo Rea Lé, diretor executivo da exposição.

As projeções em 360º contam com efeitos visuais, animações artísticas, trilha sonora original, sistema de som tridimensional em alta definição e projetores de 12 mil lúmens, que levam os pagantes a um roteiro à beira d’água, temática que rege a exposição.

Primeira experiência imersiva criada pela start-up brasileira MIRA (Museum of Roaming Arts), “Monet À Beira d’Água” é baseada na proposta de Claude Monet para as Salas das Ninféias, no Musée de l’Orangerie, que era o de criar uma ilusão de um todo infinito, de água sem horizonte ou margem.

Vendida como “a maior exposição imersiva do artista”, a experiência já comercializou 45 mil ingressos antecipados desde o dia 25 de agosto – eles continuam disponíveis no site oficial e custam a partir de R$ 30.

Expertise brasileira

A ideia da exposição é celebrar os 180 anos do nascimento de Monet de uma forma mais tecnológica. De acordo com o site oficial da MIRA, a mostra imersiva começaria, na verdade, nos Estados Unidos a partir de dezembro do ano passado, com estreia em São Francisco, antes de desembarcar por aqui.

Com início no Rio em março deste ano, o desenvolvimento da exposição foi feito inteiramente com expertise brasileira, e, ao todo, mais de 60 profissionais ajudaram a colocar o espetáculo em funcionamento.

Foram cerca de 28 meses de produção e necessários 20 artistas para transformar as pinturas de Monet em escalas de paisagem real.

Naum Simão, curador da exposição, revela que a pesquisa de obras foi feita no catálogo raisonné, espécie de documentação de toda a obra do artista contendo imagem, título, data e acervo.

“Para isso, foi utilizado o Catalogue Raisonné – Werkverzeichnis, do Wildenstein Plattner Institute, de Nova York, que é o mais completo. Possui uma compilação de 2.050 obras e documentos do artista”, detalha.

Cerca de 400 obras foram selecionadas no primeiro momento seguindo a temática de viagens e paisagens à beira d’água.

A escolha final resumiu-se a 285 obras, as quais foram pintadas em cinco países e 36 cidades diferentes. França, Itália, Inglaterra, Noruega e Holanda são os países que aparecem nos quadros, assim como Paris, Argenteuil, Giverny, Le Havre, Veneza, Londres, Amsterdã e Christiania são algumas das cidades retratadas.

“As exposições imersivas como as do Monet são uma fusão de pintura e cinema. Os quadros do pintor não estão lá fisicamente, mas os detalhes de sua composição são mostrados a partir de um formato ampliado”, explica o diretor executivo da exposição.

Seguindo a popularização das mostras imersivas, esta não é a única exposição do pintor francês em solo brasileiro: além do Rio e da capital paulista, a região de Alphaville, na grande São Paulo, também recebe uma outra mostra imersiva do pintor.

Batizada de “Monet Le Rêve”, a exposição fica em cartaz até o fim de novembro e reúne cerca de 150 obras projetadas, em que a ideia é que sejam criados ambientes instagramáveis. Confira mais detalhes na página oficial do evento.

Monet À Beira d’Água
Parque Villa-Lobos, Avenida Professor Fonseca Rodrigues, 1365 – Alto dos Pinheiros, São Paulo – SP
Início da temporada em 21 de outubro com previsão de encerramento em março
De terça a domingo em diversas sessões, das 10h às 21h15 (duração aproximada de 65 minutos cada sessão)
Ingressos a partir de R$30 via site.