As cores e os sabores de uma Cartagena histórica fora do óbvio

Além de passeios tradicionais e imperdíveis no centro, cidade nos chama para apreciar restaurantes, lojas e terraços por cantinhos especiais com toques modernos e fora da rota

Daniela Filomeno pelas ruas coloridas de Cartagena, na Colômbia
Daniela Filomeno pelas ruas coloridas de Cartagena, na Colômbia CNN Viagem & Gastronomia

Daniela Filomenodo Viagem & Gastronomia Cartagena das índias, Colômbia

Além do calor e da alta umidade, uma das primeiras e melhores impressões que temos de Cartagena das Índias reside em seu passado.

Fundada pelos espanhóis em 1533, a herança da arquitetura colonial espalhada pela cidade brilha aos nossos olhos e nos conta uma história fascinante, a começar pelos muros que protegiam este que foi um dos locais mais importantes durante as descobertas do Novo Mundo.

Datada do século 16, a Cidade Amuralhada é, além de Patrimônio da Unesco, cenário com ruas de paralelepípedos, casas coloniais bem coloridas, sacadas recheadas de flores e portas dos mais diferentes tamanhos e adornos.

Misture tudo isso a um clima tropical e alegre e temos um resultado incomparável.

Mas além do tradicional, que vai desde passeios pelas fortificações, pela Catedral de Santa Catalina de Alejandría – que compõe a imagem mais famosa da cidade – e ainda pela atmosfera descolada do bairro de Getsemani, Cartagena nos convida a experimentar seus mais diferentes sabores, aromas e até pores do sol únicos.

Basta ter olhos, narinas e estômago atentos para notar que a cidade colombiana equilibra sua culinária tradicional com uma gastronomia moderna pelos restaurantes – dos mais simples aos mais sofisticados.

Drinques também entram na conta, com bares entre os 100 melhores do mundo pelo ranking do 50 Best Bars, assim como as sorveterias artesanais nos ajudam a atravessar o calor de uma forma mais apetitosa.

E após uma bateria de passeios gastronômicos, culturais e de comprinhas, a melhor maneira de fechar o dia é observar o sol beijando o horizonte a partir de terraços especiais, como interessantes rooftops que olham a cidade de cima.

Preparados? Então venha junto comigo e com o CNN Viagem & Gastronomia (spoiler para a próxima temporada!) descobrir alguns dos lugares que, além do centro histórico e do tradicional, devem ficar no seu radar numa viagem a Cartagena:

Culinária: balanço entre tradicional e moderno

Os muros coloridos que convivem junto de construções seculares surpreendem o olhar de qualquer um que chega a Cartagena, mas a cidade vai além e satisfaz também nosso paladar.

Começo a descrição de restaurantes com destaque da culinária moderna, a qual, ao lado de casas já tradicionais, tem movimentado a cena gastronômica deste especial pedaço da Colômbia.

E atenção: vale ressaltar que reservas são muito bem-vindas nos restaurantes, já que as dicas abaixo são cobiçadas e, diga-se de passagem, valem a pena.

Moderninhos

Uma vez na cidade, é imperdível jantar no Alma, restaurante que nos apresenta uma cozinha costeira do Caribe e do Pacífico colombiano.

A comida é para lá de saborosa, em que são priorizadas criações com ingredientes locais e caribenhos, repletas de frutos do mar frescos.

Pegue por exemplo o ceviche servido no coco, que além de todas as especiarias vem ainda com peixe marinado com leite de coco e uma espuma de coco, ou as empanadas de lagosta com cream cheese.

De prato principal, o pescado do dia sempre é boa pedida.

O restaurante tem três salões distintos e fica dentro da Casa San Augustín, hotel boutique no centro histórico que fica dentro de um prédio restaurado de mais de 400 anos.

Outro dos locais que vale conferir é o Celele, casa no 19º lugar na lista dos 50 melhores restaurantes da América Latina, em que é descrito pela premiação como a “joia da coroa” na florescente cena gastronômica de Cartagena.

Situado no autêntico bairro de Getsemani, o restaurante tem os chefs Jaime Rodriguez e Sebastián Pinzón no comando, em que ambos passaram anos descobrindo sabores e ingredientes da costa caribenha da Colômbia.

A casa trabalha com opções à la carte e também com um menu-degustação de 10 tempos que oferece o que de melhor esta parte do Caribe possui.

O Candé, em plena região do bairro San Diego, também entra nessa seara. O slogan é servir uma comida 100% de Cartagena, em que as especialidades incluem ceviche no coco, com peixe branco, camarão, lula, molho de ceviche, creme de leite local, manga e coco fresco.

Usando uma das matérias-primas da culinária local, a “lagosta ditadora” também é especialidade: é uma lagosta grelhada com camarão e lula em molho cremoso com rum feito em Cartagena que acompanha arroz de coco e banana verde frita.

Vale ressaltar aqui que o dress code para a casa é casual formal – ou seja, nada de chinelos.

Carmen é restaurante que fica dentro de um casarão muito bem decorado com direito ainda a pátio interno agradável / Daniela Filomeno

Por fim, o Carmen, na Calle del Santísimo, fecha as dicas dos moderninhos em Cartagena, já que, em uma casa superaconchegante com pátio aberto, o restaurante serve uma comida contemporânea com sabores colombianos.

Logo, espere criações com caranguejo, pargo, lagosta, pato e até barriga de porco frita.

Tradicionais

Claro que, ao lado das novas técnicas, conceitos e público, Cartagena também nos satisfaz com suas casas já tradicionais.

É o caso da La Cocina de Pepina, localizada em Getsemani, uma das referências gastronômicas quando citamos Cartagena.

Priorizando uma cozinha de autor, a pimenta é protagonista do menu, o qual honra honra o legado de María Josefina Yances Guerra, uma renomada socióloga e cozinheira que se destacou com suas pesquisas e práticas culinárias no Caribe colombiano.

Após sua morte, os sobrinhos continuam tocando o projeto, que, assim como a comida, nos recebem em uma casa acolhedora.

Bandeja de entradas reúne entradinhas mais famosas e gostosas da La Cocina de Pepina, tradicional em Cartagena / Daniela Filomeno

Se quiser um gostinho da cozinha local em várias mordidas, tente a grande bandeja de entradas, que reúne, num combo, as entradinhas mais especiais do restaurante. Pimentões recheados, berinjela em conserva, ceviche de corvina e camarão ao molho de abacate são os itens.

A pedida ainda vem com boronia, purê de berinjela e banana doce aromatizada com alho, manteiga e cebola; e o Cabeça e Gato, bolinhos de banana-da-terra madura, banana-da-terra verde, mandioca e inhame.

O Juan del Mar também é pedida certa: um dos ícones da Plaza de San Diego, a linda casa, toda adornada com penduricalhos, plantas e tons brancos, nos serve frutos do mar e peixes com um toque de Cartagena – as pizzas gourmet de massa fina também fazem sucesso ao lado das músicas ao vivo em pleno centro histórico.

Já que comer bem é regra pelas redondezas, a Plaza de San Diego também é lar para o El Santísimo, um dos restaurantes mais conhecidos da cidade.

Da cozinha saem pratos que fundem sabores caribenhos com técnicas francesas. É uma boa sugestão para um agradável jantar.

E como o nome sugere, o La Cevichería prepara ceviches frescos que fazem a fama pelas ruas de Cartagena.

Com variados tipos, ingredientes e tamanhos de ceviche, a simpática casinha branca com mesas na calçada vai além e também trabalha com outros pratos com frutos do mar, como polvo, salada de lagosta e paella.

Coquetelaria premiada

Se a cena gastronômica de Cartagena aliada aos cenários históricos da cidade merece todo o burburinho, a coquetelaria também entra no jogo e coloca a cidade no radar dos melhores bares e drinques do mundo.

É o que constata o El Barón e o Alquímico, dois conceituados bares que estão na lista dos 100 melhores do mundo segundo a premiação do 50 Best Bars.

A começar, o Alquímico figura como o 10º melhor bar do mundo na atual edição da premiação – é considerado também o melhor bar de toda a América do Sul.

Se o ranking já é o suficiente para nos incentivar a visita, toda a atmosfera e cardápio também surpreendem. Situado na Calle del Colegio, no centro, cada um dos três andares do casarão tem uma atmosfera única. A alma do bar fica no térreo, sempre com música alta e uma energia contagiante.

Os três andares podem ser divididos como Inferno, Purgatório e Céu, em que vamos ascendendo de nível em nível – a dica é experimentar drinques em cada um deles.

Se estiver a fim de coquetéis clássicos, o segundo andar é a melhor opção, todos com um toque colombiano, assim como o rooftop é o local ideal para ar mais fresco e vistas para o entorno.

Interessante é que os donos também mantém uma fazenda a cerca de 900 km da cidade, a qual fornece os principais ingredientes da carta de coquetéis e também de comidinhas – dentre as opções, o menu traz a diversidade biológica da Colômbia.

Continuando a excelência da coquetelaria, o El Barón, em plena Plaza de San Pedro Claver, figura no 66º lugar entre os 100 melhores bares do mundo.

Com poucas mesas em seu interior e outras na calçada, o que já dá um toque descontraído ao endereço, a casa tem menu com sabores arrojados. Entre os coquetéis autorais e clássicos, a dica é deixar a equipe te surpreender.

Além das bebidinhas, o menu é regido por tapas e comidas bem temperadas para serem beliscadas. É um bom programa para terminar uma tarde ou noite junto de drinques caprichados em uma atmosfera alegre.

Sorvetes para refrescar

Daniela Filomeno se refresca com gelato da Gelateria Tramonti, no centro de Cartagena / CNN Viagem & Gastronomia

Com o calor intenso de Cartagena, que tem uma média de temperaturas anuais entre 25°C e 30°C, nem só de frutos do mar e coquetéis sobrevivemos por aqui.

Entram em cena os sorvetes artesanais, que nos ajudam a refrescar e ainda entregam sabores bem trabalhados.

A La Palettería é uma das mais famosas da cidade. Próxima a Plaza de Santo Domingo, uma grande variedade de paletas é a pedida ideal para as altas temperaturas.

Tente a de limonada de coco, uma bestseller da casa – e não se assuste com as filas de turistas do lado de fora do pequeno estabelecimento.

A poucos passos daqui, na esquina da Calle de la Estrella, fica a Gelateria Paradiso, que nos surpreende com os gelatos italianos junto da decoração graciosa com lustres e quadros num casarão antigo.

Na mesma seara de gelaterias, não deixe de conferir ainda a Gelateria Tramonti, na Calle de Ayos ou na Plaza de Santo Domingo, em que os gelatos italianos de alta qualidade no copinho ou na casquinha são como um bálsamo apetitoso para enfrentar o calor.

Pôr do sol visto de cima

Daniela Filomeno no Café del Mar, que tem vistas lindas e é um dos melhores pontos para o pôr do sol da cidade / CNN Viagem & Gastronomia

A comida, os drinques e até os sorvetes compõem delícias gastronômicas imperdíveis de Cartagena, mas quando nos referimos a lugares, nada melhor do que aliar sabores aos visuais incríveis da cidade.

As paisagens, que misturam as muralhas e as construções coloniais, ganham tons apaixonantes ainda mais se vistas no pôr do sol, um dos momentos mais especiais de Cartagena das Índias.

Portanto, quando em viagem pela cidade, não deixe de subir em algum terraço descolado para apreciar as cores que o céu deste pedaço de terra colombiano ganha nas últimas horas do dia.

Próximo às águas, a dica é o Café del Mar, em pleno Baluarte Santo Domingo, em cima da muralha que cerca Cartagena. É um dos pontos mais cobiçados daqui que, além de servir coquetéis refrescantes e variados, se beneficia de um dos pores do sol mais lindos da vida.

É impressionante estar aqui e testemunhar as cores do céu mudando de minuto em minuto com o sol beijando o horizonte.

Mas atenção: por ser um local muito visado, é recomendado chegar com muita antecedência, em que o programa pode se estender pela noite. O bar abre a partir das 16h30 de segunda a domingo e segue até 0h30.

Outros terraços que valem a menção estão localizados nos últimos andares de hotéis sofisticados da cidade.

Há o Botika Bar, no Sofitel Legend Santa Clara, um glamuroso bar ao ar livre com vista para o mar do Caribe; o La Cata, do hotel Santa Catalina, com uma vista direta e ao lado da Torre do Relógio; e ainda o estiloso rooftop do hotel Movich, com direito a piscina e vista de 360° de toda a cidade.

Comprinhas diversas

Lojas multimarcas apostam na curadoria de produtos feitos por artesãos locais / Daniela Filomeno

Além dos souvenirs típicos de Las Bovedas, Cartagena também nos reserva lojas com o melhor dos designs da própria Colômbia e região.

São multimarcas com curadoria incrível que vendem desde roupas e acessórios de artesãos colombianos até móveis criados junto de comunidades rurais – uma boa oportunidade de conhecer mais o trabalho das populações locais.

No centro da cidade há a St. Dom, espaço que tem por objetivo promover o design latino ao disponibilizar produtos de moda, joias, acessórios, itens de decoração artesanal e até livros da literatura latina moderna.

Além de Cartagena, a loja tem uma unidade também na capital Bogotá.

Numa pegada similar há a Território, loja com viés artesão mais elegante em dois endereços: na Calle de la Iglesia e na Calle de la Mantilla .

Da marca, se destacam os chapéus variados em tamanhos e materiais e pulseiras e colares.

Território se destaca por seus chapéus e linha de pulseiras / Daniela Filomeno

E quando juntamos uma loja descolada com um restaurante moderno no centro da cidade histórica? O resultado é a Água de Leon, ambiente que se autointitula como um agitador cultural.

No coração da cidade velha de Cartagena, o restaurante e o espaço para comprinhas ocupam uma casa colonial de tons brancos que se destaca pelos arredores.

Já a Casa Chiqui, na Calle de la Universidad, também no centro, impressiona tanto pela casa reformada de 1930 quanto pela coleção com itens diversos do mundo todo.

Os “tesouros” que podem ser encontrados aqui foram garimpados pela própria dona, Chiqui de Echaverría, em que as peças são provenientes de suas viagens para destinos como Marrocos, Indonésia, México e Índia.

Interessante é que ela começou a coletar os objetos como parte da decoração de sua casa em Cartagena, que logo se transformou numa paradinha irrecusavelmente deliciosa na cidade – uma linha de joias também se faz presente com colaboração de 94 artesãos colombianos de comunidades indígenas e rurais.