Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Bugatti-Rimac quer colocar postos de combustível sintético em casas de clientes

    Ideia foi citada pelo CEO do grupo, Mate Rimac, que pretende manter veículos à combustão da marca vivos por um bom tempo

    Combustíveis sintéticos serão a solução para manter os carros da Bugatti vivos por muito mais tempo
    Combustíveis sintéticos serão a solução para manter os carros da Bugatti vivos por muito mais tempo Divulgação/Bugatti

    João Vitor Ferreiracolaboração para a CNN

    O CEO do grupo Bugatti-Rimac, Mate Rimac, planeja oferecer os carros da marca aos clientes junto de uma estação de combustível sintético (e-fuel) para as residências. A ideia visa tornar o acesso aos carros ICE (veículos de combustível fóssil) mais fácil no futuro, mesmo diante das questões climáticas.

    Caso a solução funcione a longo prazo, ela poderá representar a manutenção do mercado de modelos de veículos à combustão — inclusive com motores V8 e maiores –mesmo com o crescimento da indústria de carros elétricos.

    “Você poderia até fazer alguns lindos postos de combustível Bugatti para as casas dos proprietários, usando combustíveis sintéticos”, disse o CEO durante o Future of the Car Summit do Financial Times, em Londres, nesta semana.

    Rimac, porém, não mostrou nenhum projeto ou algo semelhante, apenas jogou a ideia no ar.

    Apesar disso, há bases técnicas e práticas que permitiriam o desenvolvimento da ideia. Isso porque a Porsche, que é detentora de 45% da Bugatti-Rimac, começou a produzir combustível sintético em sua fábrica no Chile em 2022.

    O e-fuel da Porsche é feito com água e dióxido de carbono, e toda a energia utilizada no processo vem de turbinas eólicas, o que ajuda a deixar esse combustível mais sustentável.

    Atualmente, a planta industrial da marca tem capacidade de produzir 54,8 milhões de litros de combustível sintético anualmente. A ideia é que, após 2028, esse número ultrapasse os 550 milhões de litros.

    A marca de produção desejada para o futuro seria o suficiente para manter os próprios Porsches funcionando com e-fuel, e ainda sobraria um pouco para os donos de Bugatti, afinal, esses são carros com tiragem bem limitada, e os donos não costumam tirá-los da garagem com muita frequência.

    Visão superior do novo moto V16 da Bugatti
    Novo motor V16 da Bugatti que estreará em junho no novo modelo da marca francesa / Foto: Divulgação/Bugatti

    Um sinal de que a Bugatti pretende migrar para o combustível sintético foi o anúncio de seu novo motor V16, com quase um metro de comprimento. Segundo a montadora, a intenção é que ele fique na ativa por um tempo.

    Em 2035, as leis de emissões de gases ficarão mais severas na Europa, mas, graças a um apelo da Alemanha, os governos abriram uma brecha que o e-fuel fosse aceito como fonte de energia limpa.

    Outras montadoras de luxo que trabalham com uma tiragem tão limitada quanto a Bugatti também continuam investindo em motores grandes à combustão. É o caso da Aston Martin, que anunciou um motor V12 biturbo, ainda mais potente que o antigo, de 835 cavalos.

    Recentemente, o CEO da Ford, Jim Farley, também mencionou que o Mustang jamais deixará o motor ICE e sinalizou que os e-fuels podem ser a solução para o futuro.