Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Caio Junqueira
    Blog

    Caio Junqueira

    Formado em Direito e Jornalismo, cobre política há 20 anos, 10 deles em Brasília cobrindo os 3 Poderes. Passou por Folha, Valor, Estadão e Crusoé

    Secretário do Ministério coloca cargo à disposição após cancelamento de leilão do arroz

    Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e o Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) anunciaram, nesta terça-feira (11), o cancelamento de um novo leilão do arroz

    “Coloquei o cargo à disposição. Não tenho apego ao cargo”, disse Geller à CNN.
    “Coloquei o cargo à disposição. Não tenho apego ao cargo”, disse Geller à CNN. Divulgação / Flickr

    O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, disse à CNN nesta terça-feira que colocou o cargo à disposição do governo.

    “Coloquei o cargo à disposição. Não tenho apego ao cargo”, disse Geller à CNN.

    Sua saída foi confirmada pelo chefe da pasta, Carlos Fávaro, durante entrevista coletiva.

    A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e o Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) anunciaram, nesta terça-feira (11), o cancelamento de um novo leilão do arroz, conforme adiantou a CNN.

    O motivo é que Robson França, ex-assessor de Geller na Câmara, atuou como corretora em parte da venda.

    Fontes do setor informaram à CNN que pelas regras do mercado sua comissão no negócio pode passar de R$ 5 milhões. França é sócio de um filho de Geller em uma empresa no Mato Grosso. Além disso, ele trabalhou no gabinete de Geller junto com o diretor de Operações e Abastecimento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Thiago dos Santos.

    Geller negou a CNN envolvimento de seu filho e seus ex-auxiliares em irregularidades.

    “Eu não tenho nada para esconder. O que tem de errado nesse negócio? Eu participei muito pouco dessas discussões. Eu liguei para meu filho, ele disse que tinha aberto uma corretora junto com Robson, mas saiu. Ele realmente foi sócio do Robson, mas a empresa nunca operou”, disse.

    De acordo com Geller, ele questionou Robson sobre a participação no leilão. “O Robson falou que já participou de vários leilões. Perdeu vários. Eu falei olha o estrago que está fazendo. Ele me falou que não trabalhava mais para min”, disse Geller a CNN.

    Sobre Thiago dos Santos, disse que ele “não tem uma mácula” e que “está trabalhando muito bem”.

    Além da participação de parentes e ex-auxiliares, o governo também se incomodou com o fato de a principal vencedora do leilão ser uma empresa cuja sede é uma loja de queijos em Macapá.

    Como a CNN mostrou nesta segunda-feira, empresários ligados a empresa divergem sobre sua constituição societária.

    A CNN procurou Robson e Thiago, mas eles não se manifestaram.