Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Clarissa Oliveira

    Clarissa Oliveira

    Viveu seis anos em Brasília. Foi repórter, editora, colunista e diretora em grandes redações, como Folha, Estadão, iG, Band e Veja

    Aliados de Prates veem crise “distensionada” após intervenção de Lula

    Executivo teria pedido aos mais próximos que tenham paciência e aguardem desdobramentos das conversas do presidente sobre o comando da Petrobras

    Aliados de Prates veem crise “distensionada” após intervenção de Lula
    Aliados de Prates veem crise “distensionada” após intervenção de Lula

    Aliados do presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, avaliam que a crise no comando da estatal está “distensionada”. Embora reconheçam que o cenário ainda é incerto, interlocutores ouvidos pelo blog contam que o executivo pediu aos mais próximos que tenham paciência e se concentrem em trabalhar e entregar resultados.

    A avaliação no time do presidente da Petrobras é que os acontecimentos dos últimos dias arrefeceram significativamente as pressões por sua saída do cargo, atribuídas essencialmente ao ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira. Os mesmos interlocutores ainda evitam dar a permanência como certa, mas acreditam que há “bons sinais” nessa direção.

    Ontem, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniu com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para discutir o assunto. O presidente já havia falado por telefone com Silveira, numa conversa em que, segundo relatos, teriam sido elencadas supostas condições para a permanência de Prates no cargo.

    “Agora, a ordem é trabalhar e esperar. Mas seria muito ruim o presidente Lula trocar o comando da Petrobras depois de tudo o que aconteceu. Porque passaria a mensagem de que o fogo amigo compensa”, disse uma fonte próxima de Prates ao blog.

    Aliados de Prates consideram o posicionamento de Haddad na crise como fundamental para dar respaldo ao presidente da Petrobras. Isso porque o ministro já vinha defendendo nos bastidores a tese de que mexer no comando da empresa, neste momento, criaria incertezas no mercado e poderia impactar ainda mais nos resultados da empresa.

    Segundo informou mais cedo o analista da CNN, Pedro Duran, Haddad teria manifestado a Lula uma posição de “neutralidade”. Na visão de aliados de Prates, isso joga 100% a favor do presidente da estatal, por priorizar a estabilidade no comando da companhia.

    Nesta terça-feira, o presidente da Petrobras fez uma série de postagens na rede social X, com vídeos em que funcionários da estatal mostram projetos em andamento. “O trabalho não para”, escreveu o executivo.