Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Raquel Landim

    Raquel Landim

    Com passagens pelos principais jornais do país como repórter especial e colunista, recebeu o prêmio “Jornalista Econômico” de 2022 pela Ordem dos Economistas do Brasil

    “Jabuti” de R$ 15 bi está entre principais motivos do conflito Lira x Padilha, dizem fontes

    Ainda não há uma definição de como o dinheiro será gasto, mas é provável que uma parte dos R$ 15 bilhões seja utilizada para recompor os R$ 5,6 bilhões em emendas de comissão vetadas pelo presidente Lula

    “Jabuti” de R$ 15 bi está entre principais motivos do conflito Lira x Padilha, dizem fontes
    “Jabuti” de R$ 15 bi está entre principais motivos do conflito Lira x Padilha, dizem fontes

    Um “jabuti” que liberou mais de R$ 15 bilhões no Orçamento é um dos principais motivos do conflito entre Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados, e Alexandre Padilha, ministro das Relações Institucionais, apurou a CNN.

    Fontes por dentro do assunto informaram à CNN que as duas autoridades estão travando uma queda de braço pelo controle desses recursos.

    Fontes no Planalto dizem ainda que o dinheiro vai ajudar o governo a conquistar mais apoio parlamentar no Congresso, reduzindo a influência de Lira.

    Nesta quarta-feira, Lira chamou Padilha de “desafeto” e “incompetente”. Conforme antecipou a CNN, a crise entre os dois já vinha escalando após a votação da prisão do deputado Chiquinho Brazão (sem partido-RJ). Lira avisou aliados que Padilha “estava brincando com o fogo”

    Ainda não há uma definição de como o dinheiro será gasto, mas é provável que uma parte dos R$ 15 bilhões seja utilizada para recompor os R$ 5,6 bilhões em emendas de comissão vetadas pelo presidente Lula, enquanto outros R$ 2,6 bilhões revertam bloqueios no Orçamento.

    No bojo do projeto que recriou o DPVAT, o relator, deputado Rubens Pereira Junior (PT-MA) introduziu um dispositivo que antecipa do segundo para o primeiro bimestre deste ano a possibilidade de abrir crédito suplementar.

    Pelas regras do novo marco fiscal, a brecha de aumento de despesa para 2024 gira em torno de R$ 15,7 bilhões — que agora poderão ser gastos mais cedo, antes das eleições municipais.