Nike modifica tradicional slogan em campanha contra racismo nos EUA


Alisha Ebrahimji, da CNN
01 de junho de 2020 às 10:01 | Atualizado 01 de junho de 2020 às 11:25
Nike altera tradicional slogan “Just do it” para “Don’t do it”

Nike altera tradicional slogan “Just do it” para “Don’t do it” em campanha contra racismo

Foto: Reprodução / Nike

A Nike resolveu alterar seu tradicional slogan em uma nova campanha para protestar contra o racismo nos Estados Unidos. A frase “Just do it” (Apenas faça) foi modificada para “Don’t do it” (Não faça).

Na noite de sexta-feira (29), a empresa publicou em suas redes sociais um vídeo com uma mensagem antirracismo. A campanha foi lançada em meio à onda de protestos pelos EUA e pelo mundo contra a morte de George Floyd, homem negro que morreu sufocado por um policial durante uma abordagem.

“Ao menos uma vez, não faça. Não finja que não é um problema nos EUA. Não vire as costas para o racismo. Não aceite que vidas inocentes sejam tiradas de nós. Não dê mais desculpas. Não pense que isso não afeta você. Não se sente e fique calado. Não pense que você não pode ser parte da mudança. Sejamos todos parte da mudança”, diz a mensagem no vídeo.

“A Nike tem uma ampla história a ser contra a intolerância, o ódio e a desigualdade em todas as suas formas”, afirmou a companhia norte-americana em um comunicado enviado à CNN no sábado (30). “Esperamos que, ao compartilhar esse vídeo, possamos servir como catalisador para inspirar ações contra um problema profundo na nossa sociedade e estimular as pessoas a ajudarem a criar um futuro melhor.”

Assista e leia também:
George Floyd: polícia prende 4 mil manifestantes em seis dias de atos nos EUA
Chefe de polícia pede desculpas à família de George Floyd
George Floyd: em algumas cidades dos EUA, policiais se unem a manifestantes

Esta não é a primeira vez que a Nike usa seu slogan para falar sobre um assunto que vai além do esporte. Para celebrar os 30 anos da frase “Just do it”, em 2018, a empresa lançou uma campanha com Colin Kaepernick, jogador de futebol americano que ficou de joelhos durante a execução do hino dos EUA em diversos jogos em protesto à morte de negros no país.